David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Quando a baleia Moby Dick chegou a Paranavaí

with 2 comments

Baleia foi encontrada às margens da praia de Guaratuba em 1952 (Acervo: Gelta Adalir Amorim)

Moby Dick encontrada às margens da praia de Guaratuba em 1952 (Acervo: Gelta Adalir Amorim)

O artista plástico Antonio de Menezes Barbosa se lembra como se fosse hoje quando em 1955 a baleia Moby Dick chegou a Paranavaí, no Noroeste do Paraná, em uma exposição itinerante. O nome foi uma homenagem à grande baleia branca do clássico romance do estadunidense Herman Melville.

No tempo em que uma viagem de 70 quilômetros até Paranavaí, no seio da mata nativa noroestina, levava um dia, a população se surpreendeu ao ver uma baleia de mais de oito metros de comprimento. O animal foi colocado em exibição em um terreno baldio próximo à antiga Casas Buri, na Rua Getúlio Vargas.

“Um homem gritava o tempo todo: ‘Venham! Venham! Venham! Venham ver a grande baleia Moby Dick!”, lembra Antonio de Menezes. O preço para entrar no local e vê-la de perto, com direito a ouvir uma história fantasiosa, era de cinco cruzeiros.

A baleia embalsamada atraiu centenas de crianças, adolescentes e adultos, tanto que o organizador decidiu manter a exposição na cidade por mais de uma semana. “Era impressionante! Não se falava em outra coisa naqueles dias. Não esqueço da cena de um homem que de tempo em tempo aplicava uma injeção com um tipo de óleo na Moby Dick. Era uma injeção enorme”, garante.

Segundo Barbosa, a experiência teve grande impacto na sua infância e na de muitos outros curiosos. Naquele ano, a baleia que excursionou pelo Paraná foi trazida de Guaratuba, na região metropolitana de Curitiba, onde foi encontrada morta às margens da praia.

2 Responses to 'Quando a baleia Moby Dick chegou a Paranavaí'

Subscribe to comments with RSS or TrackBack to 'Quando a baleia Moby Dick chegou a Paranavaí'.

  1. Sempre é bom que pessoas em uma cidade ou regiào estejam lembrando e escrevendo , o que passou e aconteceu por aqui ,e vc David Arioch tem procurado arrancar da nossa memoria o que ainda nào foi esquecido ,nào é um trabalho facil , mas é gratificante ,esta escrevendo sobre todo aquele barulho de tantas situaçòes do dia a dia de uma cidade ,parabens ,ainda tem muito nesse Bau .

    antonio de menezes barboza

    3 Nov 13 at 1:54 pm

  2. Esta história deve ler muitos. Moby Dick é considerado como um monumento da literatura mundial, um magnífico dramatização do espírito humano em um estágio de natureza primitiva. Recentemente, vi o filme No Coração do Mar (I compartilhar o link das próximas transmissões: http://br.hbomax.tv/movie/TTL603317/No-Coracao-Do-Mar) Ron Howard, e é um espetáculo visual muito interessante que recebe cenas específicas com força suficiente. Uma grande história, bons desempenhos, melhores efeitos especiais e cenas de ação enérgicos, mas talvez o script é um pouco dispersos querendo cobrir muitos tópicos, a mensagem final não deixa de ser claro e não consegue mover como deveria. Vou ver como é o livro.

Leave a Reply

%d bloggers like this: