David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Nascem, crescem numa velocidade assustadora e morrem para tornarem-se comida

without comments

confinamento-foto-eco-planet

Logo cedo, são privados do convívio familiar

Quando eu era criança, vez ou outra eu fazia algum comentário perto da fila do açougue. “É o lugar mais frio do mercado”, eu dizia para a minha mãe – conta ela. Às vezes, me sentia desconfortável, mesmo sem entender. Com o tempo, compreendi o que cada uma daquelas partes expostas na vitrine, dispostas em bandejas ou em grilhões representa de verdade, para além do romantismo da exploração animal.

Vejo pessoas nas filas, seguindo suas vidas, conversando e brincando. Acredito que poucos refletem sobre isso enquanto aguardam o açougueiro, até porque fomos condicionados a isso nos últimos séculos, e mais ainda nas últimas décadas. É um contraste muito grande com o destino daqueles animais que têm vidas muito curtas, e logo cedo são privados do convívio familiar. Nascem, crescem numa velocidade assustadora e morrem para tornarem-se comida.

Ocasionalmente, alguém me diz que fulano de tal matou um animal para ser consumido inteiramente em uma confraternização. Difícil não pensar que toda a vida de um animal foi resumida a algumas horas de comilança, e em um evento que celebra a amizade e o companheirismo. Onde está esse senso de companheirismo quando esse animal é privado de conviver com os seus? Somos animais conscientes e racionais que celebram a vida com a morte.

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar:





Leave a Reply

%d bloggers like this: