David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Quando a extrema direita chega ao poder?

without comments

(Foto: Paulo Whitaker / Reuters)

Na política, a extrema direita (representada hoje no Brasil pelo que já é chamado de bolsonarismo) depende de grande vulnerabilidade, e simplesmente porque sabe que não tem força se não houver descrença naqueles com quem rivaliza. Há algumas décadas, o mundo civilizado passou a ser formado principalmente por pessoas moderadas, e pessoas moderadas, mesmo conservadoras, não gostam de extremismo, porque em situações normais sabem que isso pode desencadear um cenário de surpresas mais desagradáveis, de mais medo, de mais perdas, de mais limitação ou de mais privação; e quando se trata de política isso é evidente.

Mas se temos um cenário de muitas dúvidas, incertezas, de desconfiança, de grande temor, esse se torna o cenário ideal para a extrema direita ascender, conquistar a confiança da população; e exatamente porque prega tudo aquilo em que os chamados políticos moderados fracassaram, segundo a perspectiva do descrente. Logo o eleitor já não se importa com boa conduta, não faz diferença se um candidato tem postura agressiva ou se maltrata alguém. Discursos de intolerância ou ódio, camuflados ou não, são absorvidos como fábulas, brincadeiras, marketing. Tudo é valido na busca por um “bem maior” e a permissividade se agiganta a níveis antes considerados inadmissíveis.

Se o representante desse espectro é visto como honesto, mesmo que não seja exatamente um exemplo, o que vale é que ele aparenta ser “mais sincero que os outros”, “fala na lata”; ainda que essa “franqueza” seja ofensiva ou até mesmo criminosa. Não importa sua origem, o que fez no passado, o que faz de inconsequente ou reprovável; se é paradoxal, contraditório, porque houve uma consolidação de sua imagem “benigna” a partir da “malignidade” representada pelos outros, que são vistos como muito piores em uma leitura ingênua e maniqueísta.

As pessoas deixam de considerar o valor das palavras, das ofensas, dos preocupantes discursos inflamados porque passam por uma perigosa “flexibilização moral” em que tudo é permitido à medida que nos afastem daqueles que qualificamos como “inadmissíveis”. Ou seja, algo como: “Queremos o oposto de tudo, seja visceral” No contexto político, o opositor passa a ser visto como “inimigo da pátria” e do “progresso”. O caráter de unidade se dilui ainda mais, e nos fragmentamos mais um pouco, amplificando as fragilidades e desconcertando as verdades. A nebulosidade nos entorpece para a realidade.

Então nasce um “mito”, sob um viés sem respaldo literal, que se formaliza e se consolida a partir de uma fé sustentada na idealização de um suposto redentor, e a razão questionadora é suplantada porque ele, para o bem ou para o mal, é o oposto, e se postula como o representante da chamada “maioria”, um “verdadeiro nacionalista”. Inclusive diz isso tantas vezes que até os mais moderados acreditam. Mas o que é uma maioria em um país mestiço e diverso que ainda sofre com a intolerância e com as desigualdades sociais? Uma maioria de que afinal?

Acredito que o discurso de que a “minoria” deve se curvar à indefinida “maioria” pode parecer interessante se você considera apenas os seus interesses, vê a si mesmo como parte da “maioria injustiçada”, portanto não deseja menos que reparação porque se considera mais especial. Por isso, não vê nada de errado em sacrificar as necessidades, interesses e direitos que não são seus, e não vê problema em ignorar que o maior indicativo de uma sociedade evoluída é o respeito à diversidade e o fato de que se você respeita um “diferente” você naturalmente respeita “um igual” – e não o oposto disso.

 

Written by David Arioch

October 19th, 2018 at 12:05 am

%d bloggers like this: