David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

“Vixi, mano. Vegano?”

without comments

Voltando para casa, encostei o carro rente ao meio-fio e atendi uma ligação. De repente, um cara em outro carro, e do outro lado da rua, esticou o pescoço para fora. Ele parecia levemente (ou não) embriagado.

— Ô, mano, que barba da hora. Empresta aí.
— O quê?
— A barba. Empresta aí.
— E como seria emprestar a barba?
— Corta um pedaço aí e joga pra cá.
O rapaz abriu o porta-luvas e mostrou um tubo de cola.
— Olhe aqui, problema resolvido.
Esfregou um pouco de cola nas maçãs e sorriu.
— Não posso fazer isso. Não faz o menor sentido — respondi.
— Eu pago, irmão. Não é de graça não. Olhe aqui, po. Já estou com o rosto branco.
— Por que você fez isso, cara? Isso é perigoso. É tóxico.
Silêncio. Começou a gemer e a tremer como se estivesse tendo uma convulsão.
Desci do carro para socorrê-lo.
— Rá! Te peguei! — gritou e começou a gargalhar.
Minha barba se encolheu como um pequeno arbusto massageando o meu pescoço.
— Não vai topar mesmo?
— Já disse. Não tenho interesse, mas obrigado.
— Caramba, mano! Você é mau!
— É que sou vegano. Toda vida importa pra mim, inclusive a da minha barba.
— Vixi, mano. Vegano? Mexo com essas coisas não. Valeu!
Deu partida no carro e foi embora com o rosto cheio de cola.





Written by David Arioch

November 15th, 2017 at 10:44 am

Natalja Nordman e Anna Barykova e suas contribuições ao vegetarianismo russo

without comments

As escritoras Natalja Borísovna Nordman-Severova e Anna Pavlovna Barykova foram duas importantes vozes do vegetarianismo russo no final do século 19 e início do século 20. Elas realizaram um trabalho visando a inclusão do vegetarianismo no sistema educacional russo. Natalja, que também era sufragista, foi a responsável por apresentar o vegetarianismo ao famoso pintor realista russo Ilya Repin, que logo se tornou vegetariano.

Em 1911, ela publicou o livro “Povarennaia kniga dlia golodaiushchikh” ou “Livro de Receitas para Famintos”. A escritora fazia o possível para mostrar os benefícios e a importância do vegetarianismo, tanto que em sua casa servia apenas comida vegetariana. Até mesmo quem não era vegetariano ficava extasiado com os pratos servidos. Por sua casa, passaram artistas e intelectuais como Maxim Gorky, Vladimir Mayakovsky, Vasily Polenov, Isaak Brodsky, Filipp Malyavin, Vladimir Bekhterev, Nicolai Fechin e Aleksandr Kuprin.

Já a contribuição de Anna Barykova diz respeito principalmente às questões éticas do tratamento e adoções de animais na Rússia do final do século 19. Além de divulgar os benefícios da alimentação vegetariana e discutir as implicações éticas do consumo de animais em instituições de ensino, Barykova traduziu para o russo e publicou o poema “Queen Mab: A Philosophical Poem; With Notes”, do escritor vegetariano inglês Percy Bysshe Shelley, lançado em 1813.

Ela Também traduziu cinco obras do poeta e dramaturgo inglês John Gay que levanta questionamentos sobre a crueldade e a imoralidade humana em relação aos animais: “Pythagoras and the Countryman”, “The Beggar’s Opera,” “The Wild Boar and the Ram,” “The Court of Death” e “The Philosopher and the Pheasants.”

Referências

Notaker, Henry. A History of Cookbooks: From Kitchen to Page Over Seven Centuries.  Páginas 231-232. California Studies in Food and Culture (Book 64). University of California Press (2017).

Shulga, Alexey. The History of Russian Veganism: In A Nutshell. Vegan Publishers (2015).

 





Se quiser ter filhos, seja feliz. Se não quiser, que seja também

without comments

Os animais não afastam o ser humano de sua “humanidade”. Na realidade, eles a estimulam.

Há um texto sendo compartilhado em mídias sociais em que um senhor afirma que os bebês estão perdendo espaço para os “pets” ou “animais domésticos”, e que por isso estamos nos afastando de nossa “vocação humana”. Para ser honesto, não gosto muito do termo “pet”, porque como disse James Cromwell algumas vezes em entrevistas sobre direitos animais, quando falamos em “pet” há uma objetificação, uma reafirmação de uma ideia de que estamos falando de um ser vivo que parece que existe para nos servir, nos entreter. Claro que a ideia não é condenar quem usa o termo inocentemente, mas sim propor uma pequena reflexão.

O sujeito que publicou o texto em que critica quem convive com animais, mas não tem filhos, se posiciona como filósofo. Eu não o conheço, mas sei que no contexto da filosofia não cabe, ou pelo menos não deveria caber, senso comum ou discurso apelativo ou imponderado. Optar por não ter filhos não faz de ninguém menos humano. Desde a minha infância, tenho recordações de pessoas incríveis que marcaram a minha vida e optaram por não ter filhos.

“Teu individualismo revela tua natureza tão decadente e insuportável que somente um animal, devido a inocência, é capaz de tolerar-te, de ‘suprir’ a tua dificuldade de conviver e amar, de retirar-te da solidão, um dos tantos males da contemporaneidade.” Quando o sujeito faz tal afirmação, e extremamente agressiva se analisarmos a escolha das palavras, tenho a impressão de que ele está se referindo a pessoas que vivem em estoica misantropia.

Conheço mães e pais que são solitários, assim como pessoas que não têm filhos e não têm nenhum dos problemas citados acima. O ponto crítico desse tipo de afirmação é a óbvia generalização. Ter filhos ou não tê-los é direito de cada um. No texto, o autor afirma que o ato de ter filhos nos “humaniza”. Realmente ter filhos pode contribuir muito para o desenvolvimento humano, tenho exemplos disso na família. Mas isso não diz respeito a todos os seres humanos.

Não tê-los não significa caminhar em direção oposta. Muitos assassinos, criminosos e corruptos são pais de alguém. Acompanhe as notícias da realidade da violência intrafamiliar no Brasil e no mundo. Segundo a Fundação das Nações Unidas para a Infância, só no Brasil são registrados cinco casos por hora de violência intrafamiliar.

Sendo assim, está claro que ter filhos não “humaniza” todo mundo. Na realidade, acredito que essa percepção do ser humano que se transforma com a maternidade ou a paternidade é romântica. Sim, ela existe, mas não tanto quanto as pessoas gostam de fazer parecer, o que naturalmente é uma herança histórica cultural. E claro, quando a alçamos a níveis irreais, ela é mais idealizada do que vivida.

Muitas vezes, pessoas que vivem reclusas em seus pequenos círculos sociais, em suas zonas de conforto, acabam por ter dificuldade em perceber a heterogeneidade que isso abarca. Ter filhos, sem dúvida, pode ser um ato de amor, mas não tê-los não é um ato de desamor. Ademais, sabemos que há muitas pessoas que somente colocam filhos no mundo, mas não os educam nem dão amor.

Desrespeito, ausência de limites, comportamento violento, desvio de caráter, imoralidade, abandono…; não raramente isso faz parte do kit Omissão e Falta de Estrutura Familiar. Além disso, em um país cada vez mais populoso, não acho justo condenar pessoas que não querem ter filhos. Que cada um tenha o direito de fazer suas próprias escolhas. Se quiser ter filhos, seja feliz. Se não quiser, que seja também.





Written by David Arioch

November 14th, 2017 at 2:13 pm

A morte de Chuck Mosley

without comments

Chuck Mosley faleceu no último dia 9 de novembro

Fiquei sabendo agora que o Chuck Mosley faleceu. Triste. Embora eu curta muito o vocal do Mike Patton, Mosley fez história com o Faith No More também. Cantei muito “We Care a Lot” na minha adolescência nos anos 1990. Música que deu origem ao disco homônimo dos caras em 1985.

Written by David Arioch

November 12th, 2017 at 11:34 pm

“Há quanto tempo os carneiros não morrem de velhice?”

without comments

Versão da Companhia das Letras relançada no Brasil em 2016

Os dois carneirinhos passam o dia amarrados ao lado do estábulo em um pedaço de chão nu. Seus balidos, constantes e monótonos, começaram a incomodá-lo. Ele vai até Petrus, que está consertando a bicicleta, de rodas para o ar. “Esses carneiros”, diz, “não acha que podiam ficar amarrados em algum lugar onde possam pastar?”

“São para a festa”, Petrus diz. “Sábado vou matar os dois para a festa. Você e Lucy vêm também.” Ele limpa as mãos.

“Estou convidando você e Lucy para a festa.”

“Sábado?”

“É, vou dar uma festa no sábado. Festa grande.”

“Obrigado. Mas mesmo sendo para a festa, não acha que os carneiros podiam pastar?”

Uma hora depois, os carneiros ainda estão amarrados, ainda balindo dolorosamente. Petrus não está em parte alguma. Exasperado, ele desamarra os bichos e prende ao lado da represa, onde a relva é abundante.

Os carneiros bebem moderadamente, depois começam a pastar tranquilamente. São de raça persa, de cara preta, parecidos um com o outro no tamanho, nas cores, até nos movimentos. Gêmeos, com toda certeza, destinados desde o nascimento à faca do açougueiro. Bom, nada de mais nisso. Há quanto tempo os carneiros não morrem de velhice?

Carneiros não são donos de si mesmos, donos da própria vida. Existem para ser usados, até a última gota, a carne comida, os ossos moídos e dados às galinhas. Não sobra nada, a não ser talvez a vesícula biliar, que ninguém come. Descartes devia ter pensado nisso. A alma, suspensa na bile escura, amarga, escondida.

Páginas 141 e 142 de “Desonra”, de J.M. Coetzee, publicado em 1999.

Written by David Arioch

November 11th, 2017 at 8:09 pm

Liev Tolstói e o primeiro passo para o vegetarianismo

without comments

No ensaio “Первая ступень” ou “O primeiro Passo“, publicado em 1892, o escritor russo Liev Tolstói, autor de clássicos como “Guerra e Paz” e “Anna Karenina”, aborda a sua simpatia pelo vegetarianismo enquanto uma filosofia de vida de viés moral. Inclusive narra algumas histórias que o motivaram a tornar-se vegetariano. Ele também discute as implicações do consumo de carne e explica porque considera a exploração animal uma prática que endossa a violência. Usa como referência exemplos de visitas que realizou a matadouros em Tula, ao sul de Moscou. À época, o que o motivou a entender como funciona a indústria da exploração animal foi o livro “Ethics of Diet“, do britânico Howard Williams, publicado em 1883.

Para ler uma versão traduzida do ensaio, clique neste link.

 

 

Ângelo Jorge: “Acha-se bárbaro e repugnante dar a morte a um homem com o fito de se lhe comer a carne, mas julga-se naturalíssimo e agradável matar uma ave, um boi, um carneiro ou um coelho”

without comments

Ângelo Jorge, um dos criadores do primeiro movimento vegetariano português

Nascido em 4 de setembro de 1883, o escritor português Ângelo Jorge, da Freguezia de Santo Ildefonso, na cidade do Porto, foi um dos criadores do primeiro movimento vegetariano português, que surgiu no início do século 20. Mas, antes disso, viveu parte da sua juventude no Brasil, para onde se mudou com seus pais aos nove anos. Na adolescência, rejeitou a ideia de atuar na área comercial quando descobriu a vocação para as letras.

“Toda a sua inclinação era para os livros e para os jornaes. Aos 10 annos deu início aos seus trabalhos literários (…)”, escreveu João Paulo Freire no Segundo Volume de “Poetas Portuenses – Antologia e Notas”, lançado em 1924 pela Editora Companhia Portuguesa. Depois de atuar como jornalista no Brasil, retornou a Portugal aos 18 anos, onde defenderia a alimentação vegetariana e, mais especificamente, o frugivorismo. “Se os homens voltarem a ser frugívoros, a questão social será resolvida”, escreveu na obra “A Questão Social e a Nova Ciência de Curar”, publicada em 1912.

Entre os anos de 1909 e 1911, Ângelo Jorge foi secretário de redação da revista “O Vegetariano”, fundada pelo médico português Amílcar de Sousa. O jornalista tinha total liberdade na produção de conteúdo. Em seu artigo “O meu vegetarismo”, de cunho filosófico, Jorge declarou que os homens não se devoram mutuamente, mas devoram outros animais. “Acha-se bárbaro e repugnante dar a morte a um homem com o fito de se lhe comer a carne, mas julga-se naturalíssimo e agradável matar uma ave, um boi, um carneiro ou um coelho, com o mesmíssimo fim de os devorarmos sem piedade”, criticou.

Catarina Rola, da Universidade de Lisboa, escreveu na página 18 da dissertação de mestrado “Vegetarianismo e Comportamento Alimentar”, publicada em 2015, que Ângelo Jorge foi o grande responsável pela fundação da Sociedade Vegetariana de Portugal em 1911. O jornalista era considerado não apenas um idealista, mas um utopista. Sonhava com um mundo vegetariano, e esse sonho que ele via como um objetivo a ser alcançado deu origem à novela naturista e utopista “Irmânia”, publicada em 1912 e reeditada em 2014.

No livro de pouco mais de 100 páginas, ele retrata uma sociedade vegetariana distante da atual civilização moderna; uma sociedade que reconhece que a maneira como nos alimentamos endossa ou rejeita a violência que impomos aos outros animais. Em um diálogo de “Irmânia’, um choque de realidade surge durante um diálogo entre o vegetariano Apolínio e um náufrago que veio de uma terra onde os animais são objetificados e reduzidos a alimentos:

Três vaquinhas pretas de malhas brancas estavam deitadas sobre a relva, as tetas muito cheias, oferecendo-se aos bezerrinhos que as rodeavam.
— Pormenor interessante! exclamou Manfredo. Até nisso se revela a encantadora brandura dos vossos hábitos. A confiança com que estes animais vêm até nós, prova bem que não estão acostumados a que os maltratem.
— Não é como na vossa terra? Perguntou Apolínio.
— Lá, respondeu o náufrago, sob o pretexto de que é o rei da criação, o homem transformou-se no carrasco dos outros seres. A uns, mata-os e devora-os; a outros, fá-los bestas de trabalho; a estes, porque são lindos e estima a sua companhia, rouba-lhes a liberdade e conserva-os presos em casa; àqueles, prejudica-os de várias formas. Por exemplo: vós, em Irmânia, por certo nunca comeste os ovos destas galinhas nem provaste o leite daquelas vacas…
— Não, com certeza. Depois de grandes não costumamos mamar, respondeu com ingenuidade o moço filho de Herculino. E quanto aos ovos de galinha, são destinados ao nascimento dos pintainhos, só.
— Pois nós outros, porque somos muito civilizados, bebemos o leite que as vacas têm para amamentação dos seus bezerros, e comemos os ovos que as galinhas põem para reprodução da sua espécie.
– Seríeis capazes, pelo que vejo, de comer a própria lua, se algum dia ela caísse na tolice de vir cá baixo! concluiu, com graça, Apolínio.

 Ângelo Jorge, assim como o escritor brasileiro Carlos Dias Fernandes, seu contemporâneo, e que também colaborou com a revista “O Vegetariano”, era defensor da alimentação frugal, ou seja, o mais simples possível. Acreditava que assim o ser humano, além de ajudar a extinguir doenças comuns à época, também gerava menos impacto à natureza, o que beneficiava diretamente os animais.

Jorge faleceu em 17 de novembro de 1922, mas deixou uma filha chamada Armanda-Julia Jorge, educada, de acordo com o artigo “O Utopista portuense Ângelo Jorge: Subsídios para a sua biografia”, de Iza Luso Barbosa, seguindo os princípios da sua obra “A Questão Social e a Nova Ciência de Curar”, de 1912. Ou seja, o escritor português deixou uma filha vegetariana, que é a prova de que colocava em prática tudo que escrevia e em que acreditava. “ É forte, saudável, alegre. A Doença hade sempre para ella ser um mytho; e assim, será no futuro mais uma irrefutável prova da verdade naturista”, registrou Ângelo Jorge na legenda da foto da filha publicada em “A Questão Social e a Nova Ciência de Curar” em 1912.

Referências

Jorge, Ângelo. A Questão Social e a Nova Sciencia de Curar. Biblioteca Vegetariana, Vol. IV. Sociedade Vegetariana de Portugal (1912).

Jorge, Ângelo. Irmânia (1912). Edições Quasi (2004).

Barbosa, Iza Luso. O Utopista Portuense Ângelo Jorge: Subsídios para a sua biografia. E-topia: Revista Electrónica de Estudos sobre a Utopia, n.º 5 (2006). ISSN 1645-958X (Disponível em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/1648.pdf)

Rola, Catarina. Vegetarianismo e Comportamento Alimentar. Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (2015). Página 18. (Disponível em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/27280/1/11253_Tese.pdf)

Vegetarianos há mais de um século. Sociedade Vegetariana Portuguesa (31 de março de 2013). (Disponível em http://www.avp.org.pt/notiacutecias/vegetarianos-h-mais-de-um-sculo)

Metello, Nuno. O vegetarianismo em Portugal já tem barbas brancas. Biosofia.  (Disponível em http://biosofia.net/2012/10/17/o-vegetarianismo-em-portugal-ja-tem-barbas-brancas)





Surgiram 15 sociedades vegetarianas na Rússia, Ucrânia e Bielorrússia entre os anos de 1900 e 1944

without comments

Tolstói tomando o seu café da manhã vegetariano em 1901

Entre os anos de 1900 e 1944, surgiram 15 sociedades vegetarianas em cidades da Rússia, Ucrânia e Bielorrússia. A de maior destaque era sediada em Kiev. Com o desenvolvimento dessas sociedades, surgiram escolas vegetarianas e jardins de infância vegetarianos. Só até 1914, a Rússia contava com 73 restaurantes vegetarianos. Todo esse desenvolvimento é atribuído em parte ao escritor russo Liev Tolstói, que publicou em 1892 o ensaio “Первая ступень” ou “O Primeiro Passo”, uma das primeiras e mais importantes abordagens do vegetarianismo ético em território russo. À época, Tolstói se tornaria um dos grandes apoiadores da revista “Вегетарианство” ou “Vegetarianismo”.

Referência

vegetarianskij.ru





Written by David Arioch

November 10th, 2017 at 12:20 am

Por que você considera mais ético não se alimentar de animais?

without comments

Somos seres conscientes e capazes de escolher nossos próprios alimentos, de optar por uma boa nutrição que não envolva privação, sofrimento e morte

— Por que você considera mais ético não se alimentar de animais?

— Porque se sou capaz de sobreviver sem me alimentar da privação, sofrimento e morte de outras criaturas sencientes, não vejo motivo para continuar contribuindo com essa violência. Se mesmo diante de todas as informações as quais tive acesso sobre senciência, consciência animal e exploração animal, eu optasse por continuar me alimentando de animais, eu não faria isso por crer que a minha nutrição demanda o sofrimento e a morte de outras espécies, mas sim porque eu seria alguém reafirmando que o meu paladar, a minha conveniência, está no topo das minhas prioridades.

Acredito que eu colocar uma comodidade historicamente cultural acima do valor da vida de outras espécies, uma comodidade baseada na subjugação, e que deveria ser um bem inegociável dado ao seu fim faccioso enquanto bem de consumo, não é apenas injusto, como desnecessário e indigno de minha parte. Até porque sei que os animais não oferecem suas partes para que possamos esfaqueá-las ou fatiá-las. Por isso, quando encontro partes de animais reduzidas a produtos em mercados, ou onde quer que seja, o que vejo basicamente não é um bem de consumo colocado à venda de forma natural ou pacífica, mas sim representações fragmentadas de violência e arbitrariedade.

Experimente contar quantas partes que não pertencem a um mesmo animal você é capaz de encontrar em uma bandeja no açougue. Um quilo de alguma coisa pode representar a morte de quatro ou cinco animais, ou até mais. Isso não é uma forma de banalização da vida? Vidas ceifadas e partes acondicionadas em um pedaço de isopor com um involucro plástico, ou um saco plástico transparente, normalmente. Creio que a banalização da vida, mesmo quando não humana, diz muito sobre o valor que atribuímos ao que consideramos diferente, inferior e liliputiano.

Há animais na natureza selvagem que dependem essencialmente da carne. Esses eu jamais condenaria, pois fazem o que nasceram para fazer na luta pela sobrevivência; e, claro, sem ponderar, já que a eles não cabe o nosso discernimento. Mas nós? Não precisamos de nenhum alimento de origem animal. Somos seres conscientes e capazes de escolher nossos próprios alimentos, de optar por uma boa nutrição que não envolva privação, sofrimento e morte.





Written by David Arioch

November 9th, 2017 at 11:28 pm

Livro de culinária vegetariana publicado na Rússia em 1913 tem 1,5 mil receitas

without comments

Em 1913, Olga Konstantinovna Zelenkova publicou o primeiro livro de culinária vegetariana da história da Rússia. Intitulado “Я никого не ем” ou “Eu Não Como Ninguém”, o livro é dividido em 350 categorias e conta com um total de 1500 receitas.

Written by David Arioch

November 9th, 2017 at 11:25 pm