David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Archive for the ‘português’ tag

Ângelo Jorge, o escritor português que sonhava com um mundo vegetariano

without comments

Ângelo Jorge, um dos criadores do primeiro movimento vegetariano português

Nascido em 4 de setembro de 1883, o escritor português Ângelo Jorge, da Freguezia de Santo Ildefonso, na cidade do Porto, foi um dos criadores do primeiro movimento vegetariano português, que surgiu no início do século 20. Mas, antes disso, viveu parte da sua juventude no Brasil, para onde se mudou com seus pais aos nove anos. Na adolescência, rejeitou a ideia de atuar na área comercial quando descobriu a vocação para as letras.

“Toda a sua inclinação era para os livros e para os jornaes. Aos 10 annos deu início aos seus trabalhos literários (…)”, escreveu João Paulo Freire no Segundo Volume de “Poetas Portuenses – Antologia e Notas”, lançado em 1924 pela Editora Companhia Portuguesa. Depois de atuar como jornalista no Brasil, retornou a Portugal aos 18 anos, onde defenderia a alimentação vegetariana e, mais especificamente, o frugivorismo. “Se os homens voltarem a ser frugívoros, a questão social será resolvida”, escreveu na obra “A Questão Social e a Nova Ciência de Curar”, publicada em 1912.

Entre os anos de 1909 e 1911, Ângelo Jorge foi secretário de redação da revista “O Vegetariano”, fundada pelo médico português Amílcar de Sousa. O jornalista tinha total liberdade na produção de conteúdo. Em seu artigo “O meu vegetarismo”, de cunho filosófico, Jorge declarou que os homens não se devoram mutuamente, mas devoram outros animais. “Acha-se bárbaro e repugnante dar a morte a um homem com o fito de se lhe comer a carne, mas julga-se naturalíssimo e agradável matar uma ave, um boi, um carneiro ou um coelho, com o mesmíssimo fim de os devorarmos sem piedade”, criticou.

Catarina Rola, da Universidade de Lisboa, escreveu na página 18 da dissertação de mestrado “Vegetarianismo e Comportamento Alimentar”, publicada em 2015, que Ângelo Jorge foi o grande responsável pela fundação da Sociedade Vegetariana de Portugal em 1911. O jornalista era considerado não apenas um idealista, mas um utopista. Sonhava com um mundo vegetariano, e esse sonho que ele via como um objetivo a ser alcançado deu origem à novela naturista e utopista “Irmânia”, publicada em 1912 e reeditada em 2014.

No livro de pouco mais de 100 páginas, ele retrata uma sociedade vegetariana distante da atual civilização moderna; uma sociedade que reconhece que a maneira como nos alimentamos endossa ou rejeita a violência que impomos aos outros animais. Em um diálogo de “Irmânia’, um choque de realidade surge durante um diálogo entre o vegetariano Apolínio e um náufrago que veio de uma terra onde os animais são objetificados e reduzidos a alimentos:

Três vaquinhas pretas de malhas brancas estavam deitadas sobre a relva, as tetas muito cheias, oferecendo-se aos bezerrinhos que as rodeavam.
— Pormenor interessante! exclamou Manfredo. Até nisso se revela a encantadora brandura dos vossos hábitos. A confiança com que estes animais vêm até nós, prova bem que não estão acostumados a que os maltratem.
— Não é como na vossa terra? Perguntou Apolínio.
— Lá, respondeu o náufrago, sob o pretexto de que é o rei da criação, o homem transformou-se no carrasco dos outros seres. A uns, mata-os e devora-os; a outros, fá-los bestas de trabalho; a estes, porque são lindos e estima a sua companhia, rouba-lhes a liberdade e conserva-os presos em casa; àqueles, prejudica-os de várias formas. Por exemplo: vós, em Irmânia, por certo nunca comeste os ovos destas galinhas nem provaste o leite daquelas vacas…
— Não, com certeza. Depois de grandes não costumamos mamar, respondeu com ingenuidade o moço filho de Herculino. E quanto aos ovos de galinha, são destinados ao nascimento dos pintainhos, só.
— Pois nós outros, porque somos muito civilizados, bebemos o leite que as vacas têm para amamentação dos seus bezerros, e comemos os ovos que as galinhas põem para reprodução da sua espécie.
– Seríeis capazes, pelo que vejo, de comer a própria lua, se algum dia ela caísse na tolice de vir cá baixo! concluiu, com graça, Apolínio.

 Ângelo Jorge, assim como o escritor brasileiro Carlos Dias Fernandes, seu contemporâneo, e que também colaborou com a revista “O Vegetariano”, era defensor da alimentação frugal, ou seja, o mais simples possível. Acreditava que assim o ser humano, além de ajudar a extinguir doenças comuns à época, também gerava menos impacto à natureza, o que beneficiava diretamente os animais.

Jorge faleceu em 17 de novembro de 1922, mas deixou uma filha chamada Armanda-Julia Jorge, educada, de acordo com o artigo “O Utopista portuense Ângelo Jorge: Subsídios para a sua biografia”, de Iza Luso Barbosa, seguindo os princípios da sua obra “A Questão Social e a Nova Ciência de Curar”, de 1912. Ou seja, o escritor português deixou uma filha vegetariana, que é a prova de que colocava em prática tudo que escrevia e em que acreditava. “ É forte, saudável, alegre. A Doença hade sempre para ella ser um mytho; e assim, será no futuro mais uma irrefutável prova da verdade naturista”, registrou Ângelo Jorge na legenda da foto da filha publicada em “A Questão Social e a Nova Ciência de Curar” em 1912.

Referências

Jorge, Ângelo. A Questão Social e a Nova Sciencia de Curar. Biblioteca Vegetariana, Vol. IV. Sociedade Vegetariana de Portugal (1912).

Jorge, Ângelo. Irmânia (1912). Edições Quasi (2004).

Barbosa, Iza Luso. O Utopista Portuense Ângelo Jorge: Subsídios para a sua biografia. E-topia: Revista Electrónica de Estudos sobre a Utopia, n.º 5 (2006). ISSN 1645-958X (Disponível em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/1648.pdf)

Rola, Catarina. Vegetarianismo e Comportamento Alimentar. Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (2015). Página 18. (Disponível em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/27280/1/11253_Tese.pdf)

Vegetarianos há mais de um século. Sociedade Vegetariana Portuguesa (31 de março de 2013). (Disponível em http://www.avp.org.pt/notiacutecias/vegetarianos-h-mais-de-um-sculo)

Metello, Nuno. O vegetarianismo em Portugal já tem barbas brancas. Biosofia.  (Disponível em http://biosofia.net/2012/10/17/o-vegetarianismo-em-portugal-ja-tem-barbas-brancas)





A aldeia mais portuguesa de Portugal

without comments

Aldeia suportou as invasões napoleônicas (Foto: Reprodução)

Em Portugal, a aldeia Monsanto se situa ao lado de uma montanha. As casas que formam o lugarejo foram construídas entre penedos e estreitas ruas esculpidas em rochas.

No topo da aldeia está uma antiga praça e um castelo que um dia funcionou como fortaleza. Na Idade Média, o forte foi idealizado por um grão-mestre dos Cavaleiros Templários para resistir às muitas batalhas que aconteciam na localidade.

A aldeia que hoje serve de referência histórica suportou até mesmo as invasões napoleônicas. Pelas suas características únicas, a Monsanto recebeu o título de aldeia mais portuguesa de Portugal.

O Velho Barbanço

with 7 comments

Português se passou por francês para acompanhar amigo na Primeira Guerra Mundial

Na guerra, Manuel da Silva Barbanço era Jean Marceau Bonnet, um soldado do 5º Exército Francês (Foto: Reprodução)

É raro encontrar alguém que já tenha ouvido falar no Velho Barbanço, um misterioso imigrante português que viveu muitos anos em uma recôndita fazenda entre Paranavaí e Alto Paraná, no Noroeste do Paraná. Barbanço se passou por francês para acompanhar um amigo na Primeira Guerra Mundial e anos depois partilhou a maior parte da herança com os mais humildes.

A infância

Manuel da Silva Barbanço nasceu na Freguesia de Barcelos, em Portugal, no ano de 1896. Aos 12 anos, fugiu de casa por causa dos maus tratos do pai que tinha a conivência da mãe subserviente. Em Lisboa, o então jovem Manuel, inebriado pelos cartazes que exaltavam as belezas de Paris, decidiu partir para a França. Na Estação de Trem de Santa Apolónia tentou convencer dezenas de passageiros a levá-lo junto, porém só um concordou. Era um caixeiro-viajante de menos de 30 anos que percorria a Europa comercializando cigarreiras e perfumes. “O sujeito estava com duas malas grandes. Uma cheia e a outra vazia. Com um forte sotaque francês, falou que o levaria, mas o garoto teria que se esconder dentro da mala vazia”, contou o aposentado Amácio da Costa que durante anos trabalhou como “faz-tudo” para Barbanço.

Franzino, Manuel entrou na mala e permitiu que o homem a fechasse. A viagem levou horas e mesmo assim o garoto se manteve calado, respirando por um pequeno vão. “O Velho Barbanço me contou que estava tão frio que conforme respirava pela boca o ar que saía da mala criava forma”, disse Costa. Quando chegou a Paris, Manuel agradeceu e os dois se despediram. Na Avenida Champs-Élysées, não muito distante do Arco do Triunfo, Barbanço conheceu um português que vivia num cubículo no Montmartre e explorava o trabalho infantil de dezenas de crianças, colocando-as para engraxar os sapatos dos turistas que visitavam a Torre Eiffel.  “Eles trabalhavam em troca de comida e moradia”, relatou o aposentado.

Ex-soldado nasceu na Freguesia de Barcelos, em Portugal (Foto: Reprodução)

A amizade com Bulle

Ingênuo, Manuel foi coagido e trabalhou para o homem por vários meses, até que um dia fugiu de madrugada. Por questão de sobrevivência, Barbanço aprendeu a falar francês. Naquele tempo, não fluentemente, mas o suficiente para se virar. Fez bicos para turistas até os 16 anos, quando conheceu Bulle, um órfão francês que trabalhava de auxiliar de limpeza num restaurante de culinária mediterrânea na região do Jardim de Luxemburgo. “Era um rapaz mais velho, de 21 anos, que se tornou o irmão que Barbanço nunca teve”, comentou Amácio da Costa.

Em 1914, Bulle e Manuel estavam trabalhando juntos como carregadores de malas de um hotel situado no Montparnasse quando souberam da convocação para a Primeira Guerra Mundial. Bulle, que se chamava Pierre Livereaux, foi obrigado a se apresentar ao serviço militar. Com receio de ficar sozinho novamente, Barbanço implorou para que Bulle o ajudasse a conseguir documentos falsos para acompanhá-lo. Livereaux resistiu, mas acabou cedendo e ajudou o amigo que à época tinha 17 anos. “Sei disso porque o Velho Barbanço tinha um diário em que anotava tudo. Era muito preciso e detalhista sempre que relatava algo”, afirmou o aposentado que viu os falsos documentos franceses do português.

Na guerra, Manuel da Silva Barbanço era Jean Marceau Bonnet, um  soldado do 5º Exército Francês que participou da Batalha de Charleroi em 21 de agosto de 1914, quando os alemães invadiram a Bélgica. Questionado sobre a experiência na guerra, Barbanço disse o seguinte a Amácio da Costa no início dos anos 1960: “Nunca tinha segurado uma arma na vida e tudo que eu sentia era medo, tremia mais que vara verde. Quem passava por mim nem percebia, pois estávamos todos na mesma situação. Éramos crianças e o temor era tão absurdo que ao longe os alemães sentiram o cheiro do nosso pavor”, confidenciou Manuel da Silva Barbanço, referindo-se à derrota francesa na Batalha de Sambre.

O horror da Primeira Guerra Mundial

Algumas lembranças do episódio vivido pelo português foram reproduzidas em grandes folhas de papel já amarelecidas e deterioradas pelo tempo que Costa ganhou do ex-soldado em 1962. “Anos depois, pedi pra minha neta copiar o conteúdo, mas deu pra recuperar pouca coisa”, garantiu Costa, mostrando as informações registradas. No relato, Barbanço revelou que quando a ofensiva alemã, que estava em maior número, os atacou, só ouviu um companheiro gritar algo como: “soins, soins, sont mis à nous tirer dessus” que significa “cuidado, cuidado, começaram a atirar em nós”. O jovem soldado deitou rapidamente no chão. Quando se levantou, olhou para trás e viu o amigo Bulle caído no chão, morto, com o corpo cravejado de balas de aproximadamente oito milímetros.

Rua belga percorrida pelo português durante a guerra (Foto: Reprodução)

Barbanço conteve o desespero enquanto observou a multidão de cadáveres que se amontoaram diante de seus olhos, além de dezenas de jovens ainda vivos, mas caídos, implorando por ajuda. “A situação era horrível. Aqueles que estavam em estado muito grave foram deixados para trás. Quando me contou, também mostrou fotos da guerra e seus lábios tremeram até que levou a mão à boca para conter o choro. Disse que jamais na vida dormiu sequer uma noite sem pensar na guerra”, enfatizou o aposentado, lembrando que mais tarde Barbanço se retirou da zona de conflito, sem ter usado qualquer arma. Horas depois, se afastou da infantaria francesa e voltou para o local onde foi deixado o corpo do amigo.

Mesmo sabendo que a área estava dominada pelos germânicos, seguiu em frente. Quando viu um soldado alemão morto o despiu e trocou a farda francesa pela alemã. Logo que os alemães se dispersaram, o português carregou Bulle até as margens do Rio Sambre. Lá, Barbanço lavou o corpo do amigo, o abraçou e em seguida o enterrou. Da Bélgica, Manuel Barbanço retornou à França, onde morou até os 32 anos.

O reencontro com o avô

Mais tarde, imigrou para a Espanha e para a Itália, até que retornou a Portugal, onde soube que o avô, um aristocrata lusitano com quem perdeu contato no princípio da infância, o procurava há anos. Com a saúde debilitada, o homem convidou Manuel para morar numa propriedade em Funchal, na Ilha da Madeira. Barbanço viveu com o avô até 1945, quando o aristocrata faleceu, vítima de pneumonia. Com a morte do único familiar com quem teve uma profunda relação de afeto, Manuel da Silva Barbanço decidiu partir novamente. Antes, aguardou a execução do testamento do avô que lhe destinou uma herança que hoje equivaleria a pelo menos R$ 3 milhões.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, em outubro de 1945, Barbanço se juntou a centenas de imigrantes portugueses em um navio para o Brasil. Escolheu uma embarcação que reuniu somente pessoas de origem humilde que buscavam melhores condições de vida em terras tupiniquins. “Ele levou uma pequena mala com roupas e, como não sabia qual era a moeda brasileira, carregou uma enorme com mais da metade da herança em dólares”, salientou Costa. Numa madrugada, enquanto muitos estavam dormindo, Barbanço distribuiu boa parte do dinheiro entre as malas, bolsas, sacos e sacolas dos passageiros. No dia seguinte, ninguém entendeu o que tinha acontecido, mas as expressões nos rostos dos imigrantes eram tão cheias de esperança e alegria que o anônimo Manuel da Silva se sentiu parte de algo maior que a vida, segundo palavras de Amácio da Costa.

Paranavaí lembrava Funchal, a terra do avô de Manuel Barbanço (Foto: Reprodução)

A partilha da herança com os mais humildes

Quando a embarcação atracou em Santos, Barbanço desceu pelas ruas do porto, onde foi abordado por um garoto de aproximadamente 12 anos que ofereceu-lhe ajuda em troca de algumas moedas. O português aceitou e pediu auxílio para pegar um trem com destino a São Paulo. Antes de embarcar, Manuel sugeriu que o garoto fechasse os olhos. “Barbanço colocou um saco de dinheiro na mão daquela criança e desapareceu dentro do trem”, assegurou. Da capital paulista, o português contratou os serviços de um motorista que o levou até Presidente Prudente, onde Barbanço quase comprou uma fazenda. Mudou de ideia quando conheceu um engenheiro agrônomo que falou-lhe sobre as terras virgens do Noroeste do Paraná.

Manuel adquiriu um jipe e se aventurou pelo Paraná. Depois de dias de viagem, chegou a Paranavaí, onde comprou uma fazenda a treze quilômetros do perímetro urbano. “Ele tinha um estilo de vida eremita, não ia pra cidade. Gostou muito daqui porque lembrava a calmaria e o sossego da terra do avô, na Ilha da Madeira”, ressaltou o homem que conheceu o português em 1955, quando deixou Londrina e se mudou para Paranavaí. O caminhão que trouxe os pertences do aposentado quebrou em frente à propriedade de Barbanço. Costa foi pedir ajuda e recebeu uma proposta de emprego.

Amácio da Costa trabalhou como “faz-tudo” para o português até 1972, ano em que Manuel Barbanço transferiu-lhe a escritura de uma propriedade vizinha. “Num domingo chegou um homem na minha casa, me trouxe um título de terras acompanhado de uma carta de agradecimento pelos serviços que prestei ao longo de 16 anos. Não entendi direito e fui até a fazenda do português. Quando cheguei lá, o homem tinha sumido, ninguém nunca soube o que aconteceu. É possível que tenha partido para algum lugar onde outras pessoas precisavam de ajuda”, cogitou o aposentado com um sorriso e um olhar disperso no tempo.

Curiosidades

O apelido Velho Barbanço foi dado pelo próprio Amácio da Costa, pois o português tinha a barba, os cabelos e pelos das sobrancelhas brancos.

Para ser aceito pelo Exército Francês e justificar o sotaque, Manuel da Silva Barbanço falou que era francês, mas que foi criado pelo avô em Portugal.

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar: