David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Archive for the ‘Segunda Guerra Mundial’ tag

Como os matadouros influenciaram Hitler na idealização dos campos de concentração

without comments

Matadouros de Chicago serviram como referência para os campos de concentração

Em 2002, o escritor Charles H. Patterson publicou o livro “Eternal Treblinka: Our Treatment of Animals and the Holocaust”, em que aborda como os matadouros serviram como referência para a construção dos campos de concentração durante o regime nazista. Tudo começou quando o empreendedor Henry Ford decidiu visitar um matadouro em Chicago. “Os animais abatidos, suspensos de cabeça para baixo em uma corrente móvel ou transportador, passam de trabalhador para trabalhador, e cada um deles executa algum passo particular no processo”, registrou Ford em sua autobiografia “My Life and Work”, de 1922.

Patterson afirmou que essa experiência de Ford, que serviria de exemplo para ele implementar nas suas linhas de montagem um sistema bastante avançado à época, influenciaria Adolf Hitler a seguir o mesmo caminho. A diferença é que em vez do ditador nazista aplicá-lo em fábricas e indústrias, ele faria isso em campos de concentração. “Hitler baseou todo o tratamento dado aos judeus nas linhas de produção dos matadouros dos Estados Unidos. Ele idolatrava Henry Ford, cuja inspiração para o sistema revolucionário da linha de montagem surgiu depois que ele visitou matadouros em Chicago na sua juventude. Essencialmente, Hitler construiu os seus próprios matadouros substituindo animais por seres humanos”, escreveu Charles Patterson na página 72 de “Eternal Treblinka”.

Para o autor isso significa que a objetificação animal durante e após a Revolução Industrial acabou facilitando também a objetificação humana, já que uma acabou por servir de exemplo a outra. Embora ainda hoje muita gente atribua a Ford o pioneirismo na criação das linhas de montagem que simbolizam a organização racionalizada do trabalho, a verdade é que todo o trabalho desenvolvido por ele teve como pioneiros os empresários Gustavus Swift e Philip Armour, da indústria da carne. “Henry Ford ficou tão impressionado com a maneira eficiente com que os operários abatiam e desmembravam animais em Chicago, que ele decidiu contribuir com o abate de pessoas na Europa, desenvolvendo um método que seria usado pelos alemães para matar judeus”, declarou Patterson.

No livro “Harvest for Hope: A Guide to Mindful Eating”, publicado em 2006, a escritora, primatóloga, etóloga e antropóloga britânica Jane Goodall explicou que os animais suspensos, com as pernas agrilhoadas, suas cabeças para baixo, e se movimentando de um lado para o outro, era o modelo perfeito de uma linha de produção aos olhos de Henry Ford, que buscava uma solução para a criação da ideal linha de montagem automobilística. Mais do que eficiente, a linha de produção na indústria da carne ofereceu aos trabalhadores a oportunidade de serem vistos de outra forma:

“Os animais foram reduzidos a produtos industrializados e os operários tornados insensibilizados poderiam se ver como trabalhadores de linha de produção em vez de assassinos de animais. Mais tarde, os nazistas usaram o mesmo modelo de matadouro para o assassinato em massa em campos de concentração. A linha de montagem tornou-se um meio para que os soldados nazistas se desconectassem da matança – vendo as vítimas como ‘animais’, e eles próprios como trabalhadores”, enfatizou Goodall.

Segundo a antropóloga britânica, Henry Ford era um antissemita fervoroso que desenvolveu uma linha de montagem que serviria de base para os campos de extermínio. O empresário admirava abertamente a eficiência nazista. Hitler retribuiu a admiração. O líder alemão considerava ‘Heinrich Ford’, um irmão de armas e manteve um retrato em tamanho real do magnata da indústria automobilística em seu escritório na sede do Partido Nazista.

De acordo com Charles H. Patterson, Henry Ford lançou uma campanha antissemita que ajudou a tornar o Holocausto uma realidade. Para fundamentar essa afirmação, ele cita o jornal Dearborn Independent, lançado por Ford no início da década de 1920. No periódico, ele publicou uma série de artigos baseados nos textos dos “Protocolos dos Sábios de Sião”, um tratado antissemita que começou a circular pela Europa após a Revolução Russa de 1917.

Mas uma das maiores contribuições de Henry Ford ao regime nazista foi a publicação dos artigos que dariam origem ao livro “The International Jew”, lançado em 1920, uma obra assumidamente antissemita que teve papel fundamental na formação da ideologia nazista. Patterson revelou que Theodor Fritsch, um dos primeiros apoiadores de Hitler, foi um dos principais divulgadores do livro de Ford:

“Graças a uma campanha publicitária bem financiada e ao prestígio do nome Ford, ‘The International Jew’, foi extremamente bem-sucedido. […] Encontrou sua audiência mais receptiva na Alemanha, onde ficou conhecido como ‘The Eternal Jew’. Ford era extremamente popular na Alemanha. Quando sua autobiografia foi comercializada lá, virou imediatamente o best-seller número um do país. No início da década de 1920, o livro se tornou a bíblia do antissemitismo alemão, com a editora de Fitsch editando seis edições entre os anos de 1920 e 1922.”

No livro “Biopolitical Media: Catastrophe, Immunity and Bare Life”, lançado em 2015, Allen Meek frisou que o processo industrializado de abate de animais criados para consumo se tornou um modelo para os nazistas como “solução final”. Ou seja, a forma mais eficaz de se livrar de judeus: “O encobrimento gradual do abate de animais a partir da visão pública; o processo industrializado de matar um número cada vez maior de criaturas (hoje chegando a bilhões) foi o que provocou inevitável comparação com o genocídio nazista. A brutalidade dos assassinatos exige que aqueles que trabalham na indústria da carne se dessensibilizem em relação ao sofrimento animal, enquanto o consumidor de carne é estimulado a jamais pensar sobre o processo de matança, que é mantido fora de vista.”

Meek aponta que a dissociação entre morte e vida incentivada pela indústria fez e faz com que muitas pessoas desconsiderem o sofrimento animal no contexto da cultura de consumo, até pelo fato de haver um proposital distanciamento. Esse mesmo distanciamento fez com que grande parte dos apoiadores do Holocausto não racionalizassem o seu apoio. Ou seja, o sofrimento e as mortes eram desconsideradas porque os apoiadores do genocídio não precisavam testemunhar as medidas de extermínio.

Referências

Patterson, Charles H. Eternal Treblinka: Our Treatment of Animals and the Holocaust. Lantern Books. First Edition (2002).

Ford, Henry. My Life and Work (1922). CruGuru (2008).

Goodall, Jane. Harvest for Hope: A Guide to Mindful Eating. Grand Central Publishing. Reprint Edition (2006).

Meek, Allen. Biopolitical Media: Catastrophe, Immunity and Bare Life. Routledge. First Edition (2015).





A vida de Frei Jerônimo na Segunda Guerra Mundial e no pós-guerra

without comments

Georg Karl Brodka: “Amarraram minha mãe com cordas em cima de um jipe e percorreram a cidade, expondo-a para quem quisesse ver”   

“Andamos em cima dos cadáveres para, imagine, retirar distintivos dos corpos” (Foto: David Arioch)

Por volta das 8h, chego ao Seminário Imaculada Conceição, em Graciosa, distrito de Paranavaí, e pergunto onde posso encontrar o alemão Georg Karl Brodka, mais conhecido como Frei Jerônimo. Um rapaz aponta a escadaria e sugere que eu vá até a cozinha. Lá em cima, através de uma porta aberta, observo à minha esquerda um senhor de estatura mediana em silêncio, diante de uma mesa, aguardando o café da manhã.

Com expressão serena, ele me observa de longe, nos cumprimentamos e, com um forte sotaque alemão, pede que eu o aguarde. Sem demora, Frei Jerônimo se aproxima vagarosamente, apontando uma mesa com duas cadeiras no fundo do corredor. Assim que sentamos, comento que acho incrível como o clima naquele lugar é fresco e aprazível. “Estamos no meio da ‘naturreza’”, comenta.

Brodka veio para esta região na juventude, e poucos sabem da sua história antes de se comprometer com o sacerdócio. Ele testemunhou a Segunda Guerra Mundial na infância e também sofreu no pós-guerra nas mãos dos tchecoslovacos – simplesmente por ser alemão. A sua insigne trajetória começou em Neisse, onde nasceu em 31 de dezembro de 1935, ano em que Adolf Hitler apresentou as Leis de Nuremberg ao Reichstag, legalizando suas equivocadas teorias raciais que respaldavam a ideologia nazista.

À época, fazia três anos que seu pai tinha ingressado no Exército alemão porque não havia emprego no país, a não ser na Wehrmacht, as forças armadas. “Ele casou em 1934 e nasci em 1935. Eram tempos difíceis, mas pelo menos ele podia ficar mais perto da família. Sim, ganhava bem, tinha caderneta de poupança, mas não havia comida para comprar. Por causa da subnutrição durante a Segunda Guerra Mundial, tive problemas de desenvolvimento ósseo. Inclusive quem nasceu entre 1934 e 1937 foi dispensado do serviço militar na Alemanha. Todos os meus seis irmãos tiveram o mesmo problema. Sofremos por causa disso”, conta.

No decorrer da guerra, Georg Karl perdeu as contas de quantas vezes o alarme ressoou e tiveram de correr até o porão, onde costumavam guardar alguns alimentos. O ambiente não havia sido projetado para suportar bombardeios, mas era o único local disponível para a família sentir-se menos vulnerável aos ataques aéreos. Um dia, uma forte investida dos aliados – União Soviética, Estados Unidos e Inglaterra, resultou na destruição de quatro quartéis. “Andamos em cima dos cadáveres para, imagine, retirar distintivos dos corpos. Hoje eu teria nojo, mas naquele tempo as crianças pisavam nos mortos para pegar e colecionar distintivos. Não entra na minha cabeça como eu pude fazer uma coisa dessas. Muitos faziam isso”, narra.

Embora seu pai fosse um oficial do Exército alemão, era muito difícil encontrar alimentos em 1944, quando a Alemanha estava mais próxima de ser derrotada na Segunda Guerra Mundial. “Aquele medo e fome, você nunca passou fome quando criança, né? E vendo a mãe chorando e sabendo que não tem comida. Isso foi pesado”, relata o frei emocionado.

Quando a situação piorou, a família encontrou refúgio em uma paróquia que tinha uma casa para crianças. No período da manhã e da tarde, os pequenos, incluindo Georg Karl Brodka, participavam de inúmeras atividades. “Mas o medo do bombardeio nunca desaparecia, porque os aviões atacavam de dia e de noite. Não havia energia elétrica, e tinha semana que a gente dormia no escuro, no porão”, lembra.

Em 1945, quando os soviéticos entraram em Neisse por terra, a família Brodka conseguiu deixar a cidade com o apoio do que restou do Exército em sua cidade natal. Foram levados até a fronteira com a Tchecoslováquia, que se livrou do domínio alemão em maio do mesmo ano. Em Marienbad, Georg Karl, que tinha nove anos, encontrou um soldado alemão e falou que seu pai tinha uma insígnia igual a dele. O homem perguntou quem era seu pai. Quando o menino respondeu, ele explicou que aquele oficial era o seu superior.

“Ele conversou com minha mãe e ela começou a chorar. Duas ou três horas depois, meu pai se apresentou para nos encontrar. Não sei como, foi uma grande surpresa. Quando os americanos saíram da Tchecoslováquia, perdemos o alojamento, o apartamento que meu pai conseguiu para nós, e fomos enviados para o campo de refugiados de Flaschenhütte, em Marienbad. Não havia outra alternativa”, enfatiza.

Um dia, os soldados tchecoslovacos permitiram que a família Brodka percorresse a floresta para procurar frutas. No local, colheram folhas de agrião perto de uma mina de água. “Enchemos os bolsos e levamos para o campo. De manhã, quando ganhamos uma fatia de pão seco, colocamos o agrião e comemos. O gosto era muito bom, porque o agrião já vem temperado da natureza”, assinala Frei Jerônimo sorrindo.

Ele se recorda das orientações que ele e seus irmãos recebiam da mãe Gertrud, um exemplo de paciência. Com ela, aprenderam muitas canções folclóricas alemãs enquanto viveram no campo de Marienbad: “Eu tinha nove anos e cantávamos todos juntos. Crianças de outras famílias também participavam. Mais tarde, quando começaram a derrubar outras árvores da mata que ficava ao redor do campo, peguei as cascas para fazer brinquedos.”

Entre algumas lembranças bucólicas, o alemão jamais esqueceu do infeliz episódio em que soldados tchecoslovacos amarraram sua mãe com cordas em cima de um jipe e percorreram a cidade, expondo-a para quem quisesse ver. Em Marienbad, também quebraram os dentes do seu pai com um cassetete.

“As crianças [alemãs] tinham que sair com faixa amarela no braço para pedir comida, e sabe que comida eles ofereciam para nós? A borra de café” (Foto: David Arioch)

“As crianças [alemãs] tinham que sair com faixa amarela no braço para pedir comida, e sabe que comida eles ofereciam para nós? A borra de café. Davam risada quando nossa boca ficava suja, e faziam isso de brincadeira, para nos chatear”, revela. Os tchecoslovacos não gostavam de alemães porque as tropas do exército de Adolf Hitler invadiram e ocuparam o país em 15 de março de 1939, acabando com a soberania da Tchecoslováquia.

Em 1948, depois de dois anos vivendo no campo de refugiados, uma equipe do governo canadense chegou a Marienbad e fez uma proposta ao governo da Tchecoslováquia. “Eles queriam comprar famílias com pelo menos quatro crianças. A intenção deles era aumentar a população do país e estimular o desenvolvimento. Meu pai não aceitou porque uma das minhas irmãs estava com cólera. As famílias não ganhariam nada, só o governo. Tive alguns amigos que se mudaram para lá”, confidencia Frei Jerônimo.

Mais tarde, a família Brodka foi enviada para Bernburg, na Alemanha Oriental. Em casa, Georg Karl não conversava com os pais sobre o que ensinavam na escola: “Meu pai teve outra formação. E minha mãe dizia: ‘Não me fale, não me fale. Melhor eu não saber de nada.’ A situação na Alemanha Oriental entre os anos de 1948 e 1950 era muito tensa. Acabei simpatizando com o regime comunista porque me garantia bastante tempo para me dedicar à música. Na escola, ganhei dois instrumentos; uma flauta soprano de madeira e um bandolim. Mas o problema na Alemanha Oriental é que tiravam a educação dos pais e repassavam a autoridade ao governo.”

Na oitava série, Georg foi obrigado a preencher um papel explicando o que gostaria de ser no futuro. “Escrevi que queria ser padre, sacerdote da Igreja Católica. No outro dia, o professor deu uma gargalhada e falou: ‘Aqui tem um que quer ser padre.’ Aí começou aquele bullying, como dizem hoje”, pontua.

Em 1950, Karl Brodka, pai de Georg, reconhecendo que o filho não teria futuro vivendo naquela parte da Alemanha, articulou a fuga do garoto e, para não levantar suspeitas, o declarou como fugitivo. “Eu tinha 14 anos. Para um pai fazer isso, tinha que ter muita confiança no filho. Fui até a fronteira de trem e percorri uma floresta. Acabei sendo detido”, pontua.

A polícia da fronteira levou Brodka até um pequeno quartel, onde ele recebeu um bom jantar e passou a noite em um quarto com beliche. Na manhã seguinte, dois policiais o levaram de volta à ferroviária e o colocaram em um trem de retorno à Alemanha Oriental. Assim que o trem começou a se mover, Georg Karl saltou sobre o vagão de um trem que transportava gado.

Mesmo sem saber o que aconteceria, não hesitou em se arriscar. Depois soube que aquele trem iria para a Alemanha Federal: “Quando o trem parou, passei meus dedos nas fendas onde o gado estava preso. Bem perto tinha um policial uniformizado. Ele levou um susto: ‘O que você está fazendo aqui?’, perguntou. Eu disse que iria para Bamberg [no Sul da Alemanha]. Me levou para tomar café da manhã e me arrumou uma carona de caminhão. Foram mais ou menos 350 quilômetros.”

Em julho de 1950, Brodka chegou ao Seminário dos Carmelitas em Bamberg, mas não imaginava que lá também seria vítima de preconceito. “Como vim da Alemanha Oriental, meu apelido era comunista. Uma vez conversei com um carmelita, estudante de teologia da Tchecoslováquia, e contei a ele tudo que passamos em Marienbad. Falei que não tinha nada contra ele, mas que seu pai e seu avô provavelmente sabiam do tratamento dado aos refugiados alemães”, frisa.

Quando se tornou sacerdote, Georg Karl Brodka recebeu o nome Jerônimo (Acervo: Ordem do Carmo)

Em 1954, ele descobriu sua vocação para o escotismo quando ingressou no grupo de escoteiros Guy de Larigaudie, onde sentiu-se parte de uma nova família. Durante a guerra, Georg Karl perdeu um padrinho de batismo, que foi morto na União Soviética. E ao final da guerra, um de seus tios foi enforcado na Polônia porque era religioso e andava com uma Bíblia. “Na Alemanha Oriental, tivemos gerações sem ensino religioso. Muita gente nem conhecia a Bíblia porque a venda era proibida. Um dia, fui punido na escola porque fui à igreja em um domingo”, garante.

O pai de Brodka visitou Neisse, sua cidade natal, duas vezes quando passou a pertencer à Polônia, e nunca mais retornou porque foram muito mal recebidos pelos poloneses. “Parte dos meus parentes continuou lá. Mesmo tendo nascido alemães, se consideravam mais poloneses. Uma vez participamos de um encontro de antigos militares, tinha 15 homens mais ou menos. Meu pai chorou ao dizer que jamais matou ou ordenou que alguém matasse um soldado na guerra. Outro colega falou a mesma coisa. Se ele tivesse falado isso durante a guerra, teria sido punido com pena de morte, até porque era mais fácil matar do que não matar”, assegura.

Georg Karl Brodka se tornou sacerdote em março de 1963

Em março de 1963, Georg Karl Brodka foi ordenado sacerdote, e no dia 16 de junho do mesmo ano desembarcou no Porto de Santos. A viagem com duração de 21 dias não foi nada fácil. Recepcionado por frei Alberto Foerst, ele trouxe três caixas pesadas e muitos materiais a serem destinados ao Hospital Santa Margarida. A chegada a Paranavaí foi marcada por um fato inusitado. “O Frei Ulrico [Goevert] disse que o prefeito, o doutor [Antonio José] Messias, não poderia me receber porque ele estava preso. Os vereadores o botaram na cadeia. Então já tive uma primeira impressão”, diz rindo.

Georg Karl sempre se apresentou em Paranavaí como Fei Jerônimo, aportuguesamento do nome religioso Hieronymus que recebeu no convento de Bamberg. No seu quarto, na paróquia em Paranavaí, teve outra surpresa. Ele notou uma lona preta que cobria uma cama completamente molhada. “Frei Alberto disse que se esforçaram, mas não conseguiram fechar as goteiras. Durante o almoço no convento, Frei Ulrico preparou caipirinha, uma das primeiras tentações. No geral, fui muito bem recebido pelos patrícios – Frei Matias [Warnek], Frei Bruno [Doepgen] e Frei Alberto. Eu era o quinto no convento”, explica.

Naquele tempo, o Frei Bonaventura Einberger, que foi enfermeiro da Wehrmacht na Segunda Guerra Mundial, já morava em Graciosa, mas quem comandava o Seminário Imaculada Conceição era o Frei Matias. O que chamou a atenção de Frei Jerônimo é que o objetivo do seminário não era apenas a formação de sacerdotes: “Não foi criado só para atender uma necessidade vocacional. Em Graciosa, não havia escola para estudantes de quinta a oitava série, então o seminário supriu essa necessidade.”

Sem saber falar português, e tendo como referência apenas um dicionário de alemão-português, Georg Karl Brodka teve muitas dificuldades para se comunicar. “No começo era difícil. Não entendia o que diziam nas emissoras de rádio nem no Diário do Noroeste. Mas o Frei Matias sempre me ajudou a aprender a falar mais algumas palavras em português”, informa.

Como o Seminário Imaculada Conceição era aberto às crianças, mais especificamente garotos, o frei se tornou a grande atração de Graciosa por um bom tempo. Ao saber que havia um padre novo, os estudantes corriam até o convento ao final das aulas. “Era uma curiosidade. Uma coisa bonita para mim é que criança tem coragem de corrigir a gente. O adulto não. Eles diziam assim: ‘Não, frei! Não é assim que fala.’ Então eu repetia mais quatro ou cinco vezes até acertar. Para falar maçã foi difícil, porque não existe esse ã na língua alemã”, argumenta.

O frei com o Grupo Escoteiro Guy de Larigaudie (Acervo: Grupo Escoteiro Guy de Larigaudie)

Os seminaristas, que se encarregaram de ensinar formalmente a língua portuguesa ao Frei Jerônimo também foram muito pacientes. Depois de um ano no seminário, já se comunicando em português, ele foi enviado a Paranavaí. Com seu jipe DKW-Vemag Candango, com tração nas quatro rodas, o alemão viveu muitas aventuras na região. “Meu carro nunca ficou na estrada, e olhe que para Guairaçá a estrada era terrível. Difícil também era o trecho de Paranavaí até o Povoado de Cristo Rei, e de lá até a Fazenda Aurora e Fazenda São Joaquim. Quantos quilômetros fiz com aquele jipe. Sempre levei gente de Paranavaí comigo”, declara em tom nostálgico.

Frei Jerônimo se recorda com carinho de Maria Mallmann, uma senhora que atuava como lavadeira, faxineira e cozinheira no convento em Paranavaí. Foi ela que disse ao alemão para não se preocupar que logo ele se acostumaria a comer arroz e feijão todos os dias ao meio-dia. No início, o trabalho de Georg Karl Brodka era benzer os falecidos. “O povo chegava com o caixão na igreja e a missa era feita em latim. Mais tarde, comecei a realizar os batismos na Paróquia São Sebastião. Era a única paróquia em toda a região, e para cá vinham caminhões carregados de gente de cidades como Guairaçá e Nova Londrina”, lembra.

Um dia, na ausência dos pais que não puderam comparecer, Frei Jerônimo realizou o batismo de uma criança chamada Ivani. Confuso, ele questionou: “É menino ou menina?” Então os padrinhos falaram que não sabiam, e deram uma olhada na criança para tirar a dúvida: “Era tudo improvisado. Não tinha preparação para o batismo, nem para os pais e padrinhos.”

Frei Jerônimo fundou o Grupo Escoteiro Guy de Larigaudie em 1966

Em novembro de 1966, durante uma viagem para Guairaçá, Frei Matias, ciente de que Frei Jerônimo tinha sido escoteiro na Alemanha, sugeriu que ele fundasse um grupo de escoteiros. Recordando-se de sua experiência como escoteiro em 1954, quando ingressou no grupo alemão Guy de Larigaudie, que homenageava o escoteiro e escritor francês, Georg Karl Brodka decidiu criar um grupo com o mesmo nome em Paranavaí.

“Fiz isso porque eu já gostava da literatura dele, um escritor que exaltava a natureza e falava sobre a importância de viver em harmonia com o meio ambiente. Comecei com oito meninos de 11 e 12 anos. Depois de três meses de preparação, eles fizeram a promessa, e cada um trouxe mais um integrante para o grupo”, narra.

Em 1967, Frei Jerônimo fez um curso de escotismo em São Paulo e voltou a Paranavaí com novas metas, como a organização da Alcateia de Lobinhos e da Tropa de Escoteiros. A partir de 1972, o grupo que funcionava de forma independente passou a ter como sede o Campo dos Escoteiros, ao lado do Ginásio Noroestão, onde manteve suas atividades por quase 26 anos.

“Aquele terreno já era da comunidade carmelitana. A sede foi construída com a madeira de duas casas que ganhei da Fazenda São Joaquim. O grupo cresceu bastante e completou 50 anos em 2016. Participamos de atividades escoteiras em Curitiba, Londrina e Maringá. Naquele tempo, tinha muito trabalho. Eu dava aulas de estudos bíblicos no Colégio Paroquial Nossa Senhora do Carmo e atendia 22 capelas fora de Paranavaí. Era obrigado a andar sempre de hábito”, destaca.

Nos anos 1980, Frei Jerônimo se tornou um dos administradores do Seminário Imaculada Conceição, chegando a se responsabilizar por quase 50 adolescentes. Atuando sozinho a maior parte do tempo, desabafa que foi duramente criticado algumas vezes. O seu trabalho era mais social do que vocacional, porque quando um menino chegava com os pais para se matricular, ele nunca perguntava se o garoto queria ser padre ou carmelita. “Eu fazia isso somente um ou dois anos depois, quando já era possível notar se havia interesse ou não. Se tivesse, continuava aqui, senão poderia voltar para casa”, enfatiza.

“Fui para Paranavaí em 1988 quando o seminário foi fechado”

Entre os alunos do frei estavam o padre Reginaldo Manzotti, que estudou no seminário por três anos, e o frei Ivani Pinheiro. “Troco cartas com vários ex-alunos. Fui para Paranavaí em 1988 quando o seminário foi fechado. Em 1990, me transferiram para Dourados [no Mato Grosso do Sul]. O Frei Joaquim [Knoblauch] era pároco da Paróquia Bom Jesus. Passou a paróquia para mim e fiquei um ano sozinho cuidando de tudo. Lá, fundei o Grupo Escoteiro São Jorge, o sétimo do Mato Grosso do Sul”, relata.

Em Dourados, também participou de um grupo de flautistas da Igreja Batista. O convite surgiu porque não havia ninguém na cidade que tocasse flauta baixo tão bem quanto Frei Jerônimo. “Toquei por dez anos com eles. Era muito gostoso. Nos escoteiros, tínhamos 12 instrumentos de percussão, e formei 12 seminaristas para tocar pífaro. Eu trouxe os pífaros da Alemanha, os mesmos usados pelo Exército alemão”, revela.

O frei diz com orgulho que quatro músicos que fizeram parte da Orquestra de Sopros Paranavaí foram seus alunos na infância. Uma vez, durante uma missa, eles se aproximaram e o lembraram das boas lições de flauta. “Tenho todos os tipos de flautas – sopranino, soprano, tenor, contralto e baixo. É uma pena que não tenhamos a cultura da música instrumental no Brasil. Na Alemanha, valorizamos isso desde cedo. Essa desvalorização atrapalha porque também deixa os instrumentos mais caros”, avalia.

O retorno à Alemanha em 2003

Em 2003, Frei Jerônimo pediu autorização do seu superior na Ordem dos Carmelitas para retornar à Alemanha. Um dia, caminhando pela floresta, encontrou um cão da raça são-bernardo, que sobe montanhas para ajudar a procurar pessoas perdidas na neve. Quando ele se aproximou, Brodka apenas colocou as mãos nas costas, abaixou a cabeça e falou com o animal. Em seguida, chegou o tutor do cachorro, correndo e ofegando, pedindo para ele se afastar porque o animal era bravo.

Com o dicionário de alemão-português que trouxe quando se mudou para o Brasil (Foto: David Arioch)

“Eu disse que não, que ele não era bravo. Falei para o cachorro que eu não iria bater nele e ele não poderia me morder. O homem ficou me olhando e dizendo: ‘Como? Como pode falar com ele?’ Falei que sim, converso com ele. Me entendo com cachorro, e tudo acabou bem. Foi uma experiência bonita”, lembra sorrindo. Por outro lado, nos quase três anos que trabalhou como vigário paroquial da Diocese Trier, em Springiersbach, Frei Jerônimo percebeu que tudo estava diferente, e não conseguiu se acostumar com aquele estilo de vida na igreja.

“Aqui o trabalho pastoral é mais popular. Estamos mais próximos do povo. Lá, fiquei a maior parte do tempo em meu quarto, com rádio e telefone, sem muito o que fazer, até que um dia o meu superior me deu o conselho para retornar. Cheguei ao Brasil em 31 de dezembro de 2005, no dia do meu aniversário. Gosto daqui porque é o único convento que está na natureza. Todas as outras casas estão na cidade”, explica.

Sem velar a empolgação, Georg Karl Brodka conta que tem três alunos de flauta no Jardim São Cristovão, em Paranavaí, e uma menina do Colégio Paroquial que é sua parceira musical há quatro anos. “A procura não é grande, mas quem tem interesse, se esforça. Isso é bom. Eu trouxe muita literatura para flauta da Alemanha”, comenta.

Enquanto conversamos, uma cachorrinha brincalhona salta sobre mim inúmeras vezes. Com expressão séria, Georg Karl Brodka pede apenas uma vez que ela se comporte, e ela o atende. A cadelinha o motiva a sair todos os dias para passear pelo bosque. “Se não fosse por ela, eu ficaria mais tempo no quarto, mas ela me chama sempre. Nos entendemos. Não gosto de gente que bate em cachorro. Na realidade, não gosto de gente que não aceita cachorro. Dá para desconfiar. Tinha um gato aqui também, e os dois se davam muito bem, mas mataram ele”, lamenta.

O pai Karl Brodka ficou doente após a guerra

Nascido em 3 de setembro de 1906 em Glogau, atual Glogów, na Polônia, Karl Brodka, pai de Georg Karl Brodka, mais conhecido como Frei Jerônimo, ficou doente após a Segunda Guerra Mundial. A vida conturbada teve sérias consequências.

“A guerra é uma barbaridade. Meu pai adoeceu porque bebeu e comeu tantas coisas para não morrer de fome que teve um sério problema no fígado. Depois foi operado em Köln [no oeste da Alemanha]. Ele tinha apenas 5% de chance de sobrevivência. Quando completou 11 anos desde a realização da cirurgia, preparou um café da tarde para agradecer ao médico que o atendeu. Meu pai, que se aposentou com 62 anos, escreveu uma carta disponibilizando seu corpo para estudos após a sua morte. O médico não quis aceitar, mas acabou concordando em respeito ao desejo dele.”

Karl Brodka viveu até os 72 anos, enquanto que a mãe Gertrud Baginski Brodka, nascida em 20 de março de 1910 em Allenstein, atual Olstzyn, na Polônia, faleceu aos 89 anos em decorrência de um infarto. “De manhã, ela caiu da cadeira morta. Minha irmã a estava visitando em seu apartamento naquele dia. Ainda bem que ela não estava sozinha”, enfatiza. Os pais de Frei Jerônimo nunca vieram ao Brasil, mas os seus seis irmãos estiveram aqui duas vezes. “Seis dos meus irmãos estão vivos e trabalharam como educadores e médicos. Em Neisse [Nysa], onde meus pais se casaram, nasceram Marianne, Brigitte, Renate, Eberhard e eu. Em Marienbad, nasceu Karl Heinz, e por último Michael em Bernburg”, revelou.

“Ele estava com medo, e com certeza temia ser denunciado por algum alemão”

Durante a entrevista com Georg Karl Brodka, mais conhecido como, Frei Jerônimo o questionei se ele nunca teve interesse em ser bispo. Me explicou que partilha da mesma opinião do falecido bispo alemão Alberto Foerst, um dos fundadores do Seminário Imaculada Conceição. “Ele disse que rejeitou duas vezes o convite para ser bispo, até que foi obrigado a aceitar. ‘Ser bispo afastou-me do povo e me deu trabalho só com os padres’”, citou rindo. O frei também declarou que não tem sonhos; que sempre preferiu viver o presente.

Brasão da Família Brodka criado em 1440

No entanto, desde os 12 anos cultiva o amor pela música. Com essa idade, aprendeu a tocar flauta: “Gosto de música clássica e folclórica. Na Alemanha, quem sabia cantar 25 canções de folclore alemão ganhava o distintivo de prata. Fiquei muito feliz quando ganhei o meu. Uma pena que não consegui o de ouro. Só recebia quem cantasse 50 canções. Eu tinha uma boa voz, mas começou a mudar depois dos 12 anos. Cantei no Teatro Municipal, em um coral de meninos e participei de duas peças teatrais.”

Sobre literatura alemã, Frei Jerônimo relata que nos tempos do colégio lia os clássicos de Friedrich Schiller e Joseph Freiherr von Eickendorff. “Ainda hoje quando algum colega traz algum livro de literatura alemã, eu pego para ler. Comprei no ano passado uma Bíblia que saiu em alemão. Tem outra linguagem, diferente daquela de 50 anos atrás”, informa. Sorrindo e bem à vontade, conta que na sua última estadia de três meses na Alemanha, não comeu arroz nenhum dia.

“Lá, comi mais lentilhas e ervilhas. De comida, gosto muito de batatinha. Também gosto de pão, mas pão de centeio, integral ou de milho. São pães que você pode conservar por dias. Não gosto de pão francês, porque no outro dia já vira borracha”, reclama. Entre as bebidas preferidas, cita a cerveja.

Ao longo da conversa, o frei me perguntou por que os brasileiros mudam o nome das cidades alemãs. Ou seja, os traduzem. “Os alemães não fazem isso”, queixa-se. Me recordei que há alguns anos fiz um trabalho de pesquisa sobre a história do médico nazista Josef Mengele, que supostamente viveu em Graciosa em 1954. Sobre isso, Frei Jerônimo declarou que é realmente possível que ele tenha vivido no distrito de Paranavaí. “Não sei de nada, mas tenho uma explicação. Ele estava com medo, e com certeza temia ser denunciado por algum alemão”, comenta.

Saiba Mais

Georg Karl Brodka retornou duas vezes à Alemanha Oriental quando seus pais ainda moravam lá.

Como a cidade natal de Frei Jerônimo, atual Nysa, foi anexada à Polônia, ele também tem os mesmos direitos de um polonês.

O emblema da Família Brodka foi criado na Alemanha em 1440.

O frei percebeu que em Graciosa, que é uma colônia germânica, muitos dos moradores não pronunciam o sobrenome corretamente. Segundo ele, isso é uma herança dos tempos da Segunda Guerra Mundial, quando o preconceito contra alemães cresceu exponencialmente no Brasil, durante a perseguição aos nazistas: “Falo que hoje é permitido pronunciar certo, mas eles ainda preferem do outro jeito.”

Em 1999, Frei Jerônimo recebeu a “Medalha de Bons Serviços”, e em 2003 a “Medalha de Gratidão”, concedidas pela União dos Escoteiros do Brasil.

Em 26 de fevereiro de 2003, foi homenageado pela Câmara de Vereadores de Dourados, onde recebeu o “Título de Cidadão Douradense”.

Em 2006, ganhou a Medalha de Mérito do Trabalho e Reconhecimento Administrativo “Dr. José Vaz de Carvalho”, concedida pela Câmara Municipal de Paranavaí. Pela mesma Câmara, recebeu o título de “Cidadão Honorário de Paranavaí” em 18 de março de 2013.

Em 2016, outra importante premiação foi a “Medalha Velho Lobo”, concedida somente aos associados da União dos Escoteiros do Brasil que completam 50 anos de atividades escoteiras comprovadas. Georg Karl Brodka é uma das duas pessoas que a receberam na história do escotismo no Paraná.

A Segunda Guerra Mundial começou em 1º de setembro de 1939 e terminou no dia 8 de maio de 1945.

A República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) foi proclamada em Berlim Oriental no dia 7 de outubro de 1949. Chegou ao fim em 3 de outubro de 1990, com a reunificação da Alemanha.

No Seminário Imaculada Conceição

without comments

No sábado, estive mais uma vez no Seminário Imaculada Conceição, em Graciosa, um lugar que sempre me transmite muita serenidade, construído em meio à mata nativa. Mesmo não sendo religioso, sinto até vontade de me tornar sacerdote quando vou lá. No seminário, trabalharam inúmeros alemães que participaram da Segunda Guerra Mundial; que se tornaram padres antes e depois. Supostamente, foi onde viveu o médico nazista Josef Mengele em 1954, sobre quem também escrevi. Muitas histórias pitorescas envolvem esse lugar que um dia não apenas formou padres, como também ofereceu educação gratuita de alta qualidade para milhares de crianças.

Written by David Arioch

October 23rd, 2017 at 11:42 pm

Um bate-papo com o alemão Georg Karl Brodka

without comments

O alemão Georg Karl Brodka (Frei Jerônimo) lendo o rascunho da maior reportagem que escrevi até hoje (mais de 30 páginas), sobre a sua vida durante a Segunda Guerra Mundial, no campo de refugiados da Tchecoslováquia e mais tarde tentando entrar na Alemanha Federal. Conversamos novamente no sábado e ele me relatou mais fatos interessantes de sua vida, e que farão parte da grande reportagem que pretendo publicar até a semana que vem:

“A primeira vez em que fui preso eu era só um menino, a polícia da fronteira me levou ao pequeno quartel, recebi uma janta boa, um quarto com beliche. No dia seguinte, dois policiais me levaram de novo na ferroviária e me colocaram num trem para voltar à minha cidade, na Alemanha Comunista. Quando o trem entrou em movimento, pulei do outro lado e entrei no outro trem de gado. Não sabia o que iria acontecer, mas aquele outro trem foi na outra direção.

Então, fora da Alemanha Comunista, para a Alemanha Federal. Lá cheguei e o trem parou. Passei meus dedos nas fendas onde o gado estava preso. Bem perto tinha um policial com outro uniforme. Esse policial levou um susto, viu meus dedos e gritou. Ele entrou no vagão e perguntou: ‘O que você está fazendo aqui?’ Então eu disse que iria para Bamberg. Recebi o café de manhã e ele arrumou um caminhão que iria justamente para Bamberg. Foram mais ou menos 350 quilômetros de carona. O caminhão me deixou na frente do Convento dos Carmelitas, onde me tornaria seminarista.

Na oitava série era obrigado a preencher um papel para dizer o que você queria ser no futuro. E eu escrevi que queria ser padre, sacerdote da Igreja Católica. E no outro dia o professor da nossa sala começou a zombar. Aí começaram a rir, aquela gargalhada e o professor falou: “Aqui tem um que quer ser padre. Aí começou aquele bullying, como dizem hoje, na sala de aula.”





Written by David Arioch

October 23rd, 2017 at 11:39 pm

“Henry Ford, que ficou impressionado com a eficiência dos matadouros de Chicago, deu a sua contribuição para a matança de pessoas na Europa”

without comments

Livro foi publicado em 2002 pela Lantern Books

Henry Ford, que ficou impressionado com a eficiência dos matadouros de Chicago, deu a sua contribuição especial para a matança de pessoas na Europa. Não só desenvolvendo o método de linha fabril que os alemães usaram para matar judeus, mas também lançando uma campanha antissemita que favorecia o holocausto.

O propósito da matança alemã centrava-se no extermínio de seres humanos. Operavam no largo contexto de sociedade de exploração e matança de animais, que eles imitaram. Os alemães não deixaram de matar animais quando começaram a exterminar pessoas.

Auschwitz, sob o comando de Rudolf Hess, era conhecido como o maior matadouro de pessoas que a história já viu; tinha o seu próprio matadouro. Os campos de morte mantinham o seu pessoal [nazistas] bem alimentado com carne.

Sobibor tinha currais de vacas, porcos, etc, que eram ao lado da entrada que levava os judeus à câmara de gás. Em Treblinka, tinham estábulo, e a pocilga junta ao campo das barracas dos auxiliares ucranianos.

Excertos de “Eternal Treblinka”, de Charles Patterson, publicado em 2002 pela Lantern Books.

 

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar:





Kupfer-Koberwitz: “Acredito que enquanto o homem torturar e matar animais, ele vai torturar e matar seres humanos também”

without comments

Me recuso a comer animais porque não posso me nutrir a partir do sofrimento e da morte de outras criaturas

Kupfer-Koberwitz: “Devemos tentar superar nossa própria pequena crueldade irrefletida, evitá-la e aboli-la” (Acervo: Universidade de Chicago)

Em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, o pacifista alemão Edgar Kupfer-Koberwitz foi classificado como um inimigo da Alemanha e enviado para um campo de concentração em Dachau, ao norte de Munique. Mesmo vivendo em situação degradante, ele se manteve fiel a sua filosofia de vida como vegetariano.

Quando recebia uma porção de carne, Kupfer dava aos seus companheiros prisioneiros, de acordo com informações do “Guide to the Edgar Kupfer-Koberwitz Dachau Diaries 1942-1945”, da Universidade de Chicago. Durante os anos em que esteve em Dachau, ele escreveu diariamente sobre a sua vida e suas impressões da realidade. Para Kupfer, o fato do ser humano negar humanidade a seus semelhantes e, assim agir de forma cruel, sempre foi determinante na legitimação da brutalidade contra os animais.

“Acredito que enquanto o homem torturar e matar animais, ele vai torturar e matar seres humanos também – e guerras serão travadas – pois o assassinato deve ser praticado e aprendido em uma pequena escala. Devemos tentar superar nossa própria pequena crueldade irrefletida, evitá-la e aboli-la”, escreveu em seu diário que deu origem ao livro “Dachauer Tagebücher Die Aufzeichnungen des Häftlings 2481”, publicado em Munique em 1997, baseado em suas memórias e reflexões.

Segundo informações da Biblioteca da Universidade de Chicago, depois de conseguir um trabalho como balconista em uma loja do campo de concentração, Edgar Kupfer-Koberwitz começou o seu próprio diário em pequenos pedaços de papel. A princípio, ele relatava principalmente os incidentes da vida em Dachau.

Para não ser flagrado e punido, ele escondia suas folhas entre outros papéis. Até que mais tarde, preocupado em perder tudo que tinha escrito, tomou a decisão de enterrar seus diários. Ainda assim, foi impossível preservar todas as folhas porque algumas foram danificadas pelo contato com a água.

“Me recuso a comer animais porque não posso me nutrir a partir do sofrimento e da morte de outras criaturas. Me recuso a fazê-lo, porque sofri tão dolorosamente que posso sentir as dores dos outros, lembrando meus próprios sofrimentos”, declarou em carta que faz parte do ensaio “Animais, Meus Irmãos”, que integra seus diários preservados pela Universidade de Chicago.

Diários do pacifista alemão deram origem a um livro publicado na Alemanha em 1997 (Foto: Reprodução)

A passagem foi escrita quando, após contrair tifo, o pacifista alemão estava em um barracão que funcionava como hospital. Mesmo doente e receando a própria morte, ele conseguiu sobreviver, ao contrário de outros 12 mil prisioneiros que sucumbiram em decorrência de doenças ao longo de quatro meses e meio.

“Me sinto feliz, ninguém me persegue; por que devo perseguir outros seres ou fazer com que sejam perseguidos? Não sou prisioneiro, sou livre; por que eu faria com que outras criaturas fossem feitas prisioneiras e jogadas na prisão? Ninguém me prejudica; por que eu deveria prejudicar outras criaturas e fazê-las sofrer?”, ponderou Kupfer.

Edgar Kupfer-Koberwitz foi libertado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos em 29 de abril de 1945, assim como outros mais de 67 mil prisioneiros. Quando se deu conta de que estava realmente livre para continuar a sua vida, ele declarou: “O dia acabou, celebrarei este 29 de abril de 1945 pelo resto da minha vida como o meu segundo aniversário, como o dia que me deu novamente a vida.”

Conforme o “Guide to the Edgar Kupfer-Koberwitz Dachau Diaries 1942-1945”, durante a Segunda Guerra Mundial, Adolf Hitler proibiu que todas as organizações vegetarianas continuassem ativas em territórios ocupados pela Alemanha. Também ordenou a prisão de seus líderes. Tal iniciativa foi colocada em prática porque o vegetarianismo organizado era visto como uma ameaça, por se aproximar dos mesmos ideais das organizações pacifistas que o Führer desprezava.

“Ninguém me mata. Por que devo ferir ou matar outras criaturas, ou fazer com que sejam feridas ou mortas para o meu prazer e conveniência? Não é natural que eu não cause dor em outras criaturas que, eu espero e temo, nunca causarão em mim? Não seria injusto fazer tais coisas sem outra finalidade senão gozar deste insignificante prazer físico à custa do sofrimento dos outros, da morte de outros?”, interpelou o pacifista alemão em seu diário.

A vida de um pacifista alemão

Edgar Kupfer-Koberwitz nasceu na cidade de Koberwitz, na Alemanha, em 24 de abril de 1906 e estudou em Bonn, Regensburg e Stuttgart. Após o divórcio de seus pais, ele deixou a escola para ajudar sua mãe e sua irmã. Trabalhou em fábricas, lojas e bancos. Como consequência de uma desilusão amorosa, foi para a Itália em 1925.

Entre idas e vindas até 1940, trabalhou em jornais, agências de viagens e também como modelo para um escultor. Após a sua libertação, ele viveu nos Estados Unidos até o início dos anos 1950. E depois, se mudou para a Sardenha. Decidiu viver definitivamente na Alemanha a partir de 1984. Ele faleceu em Stuttgart, na Alemanha, em 7 de julho de 1991.

A autenticidade de seus diários foi confirmada pelos agentes do Corpo de Contra-Inteligência (CIC), e também por testemunhas. Ele criou e distribuiu um questionário entre ex-prisioneiros, assim reunindo declarações sobre seu comportamento no acampamento e sobre sua confiabilidade. Os relatos nos diários de Edgar Kupfer, doados à Universidade de Chicago em 1º de abril de 1954, foram publicados de forma fragmentada pela primeira vez no semanário do parlamento alemão “Aus Politik und Zeitgeschichte”, sob o título “Als Häftling in Dachau”.

Saiba Mais

“Die Tierbrüder − eine Betrachtung zum ethischen Leben“, ou “Os Irmãos Animais – Uma Consideração da Vida Ética”,  ensaio que ele escreveu sobre vegetarianismo, foi publicado na íntegra no livro “Radical Vegetarianism”, de Mark Mathew Braunstein, em 1981.

Referências

https://www.lib.uchicago.edu/e/scrc/findingaids/view.php?eadid=ICU.SPCL.KOBERWITZ

http://neveragain.org.il/articles/animals-my-brethren-edgar-kupfer-koberwitz/

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar:





Uma manhã com Frei Jerônimo

without comments

Frei Jerônimo sobreviveu à Segunda Guerra Mundial e à dominação soviética (Foto: David Arioch)

Frei Jerônimo sobreviveu à Segunda Guerra Mundial e à dominação soviética (Foto: David Arioch)

Fiquei muito feliz de conhecer o alemão George Karl Brodka (Frei Jerônimo), que sobreviveu à Segunda Guerra Mundial e à dominação soviética. A conversa rendeu algumas horas e agora já penso em transformar isso não apenas em uma reportagem, mas algo muito maior. Inclusive me comprometi em retornar mais vezes. Logo abaixo, segue uma prévia do bate-papo com Frei Jerônimo que vive no Seminário Imaculada Conceição desde o início da década de 1960. (Na foto, ele está segurando o primeiro dicionário de alemão/português que comprou antes de se mudar para o Brasil)

Suas impressões da Segunda Guerra Mundial são narradas sob a ótica de uma criança, já que na época ele não tinha mais que dez anos. Brodka se emociona ao contar que seu pai, assim como muitos outros alemães, entraram para o exército porque suas famílias estavam passando fome, e era o único tipo de trabalho disponível na Alemanha nazista. “Participei de um encontro de oficiais da Alemanha na década de 1950, e meu pai chorou ao dizer que nunca matou ninguém e jamais deu alguma ordem de assassinato.”

Brodka diz se envergonhar e não entender como na infância ele e muitas outras crianças tiveram coragem de andar sobre os cadáveres dos soldados mortos, retirando distintivos para compor suas coleções. Crente de que o filho de 14 anos não teria futuro na Alemanha Oriental, o pai de George Karl forjou documentos para que ele pudesse atravessar a fronteira. “Tive que percorrer uma grande selva, e depois acabei preso. Fui preso duas vezes na minha vida”, narra.

Outro relato surpreendente é o do dia em que os tchecos amarraram sua mãe com uma corda no capô de um jipe e percorreram toda a cidade fazendo piadas e a exibindo como um troféu. “Eles também nos obrigavam a comer borra de café e depois faziam piadas dos nossos dentes pretos. Eles odiavam os alemães”, declara. Seu tio, um pregador, foi capturado pelos poloneses e enforcado em uma árvore diante de uma plateia porque transportava uma bíblia. “Em algumas regiões a circulação da bíblia era proibida”, enfatiza.

Brodka conta que pelo fato de ter vivido muitos anos na Alemanha Oriental, quando ele decidiu se tornar carmelita sofreu muito preconceito. “Na Alemanha Ocidental, na própria Ordem do Carmo, não me chamavam pelo nome, mas apenas de comunista. Até mesmo quando cheguei em Paranavaí, e os outros padres ficavam sabendo que vivi na Alemanha Oriental, sempre se referiam a mim como ‘o comunista’. Era muito triste”, lamenta.

Algumas frases ditas por Frei Jerônimo e que ainda continuam ecoando na minha mente:

“Um dia, na Alemanha, um Bernardino, um cachorro que ajuda a encontrar pessoas perdidas nas montanhas, escapou do seu tutor e correu em minha direção. Quando ele se aproximou de mim, coloquei as mãos nas costas, abaixei a cabeça e conversei com ele. Depois veio o tutor dele correndo e disse que o cachorro era bravo. Eu falei que não, que ele não era bravo. Então olhei pro cachorro e expliquei: ‘Não vou bater em você e você não vai me morder.” O homem achou que eu estava louco: ‘Como?’ Expliquei que falei com o cachorro e ele entendeu. Sempre me entendi muito bem com cachorros.”

“Não gosto de gente que bate em cachorro. Não gosto de gente que não aceita cachorro. Dá pra desconfiar de gente assim…”

“Uma coisa que acho estranha em brasileiro é que brasileiro gosta de dizer que é descendente de italiano, alemão, português…que é descendente disso ou daquilo. Por que não apenas gostar de ser brasileiro?”

Frei Jerônimo é o fundador do Grupo Escoteiro Guy de Larigaudie, de Paranavaí, que este ano completou 50 anos.

Esperando por Samuel Beckett

without comments

Waiting For Godot e a importância da Resistência Francesa na literatura de Beckett

Samuel_Beckett_2177862b

Waiting For Godot traz referências das experiências de Beckett na guerra (Foto: Reprodução)

Durante a Segunda Guerra Mundial, o dramaturgo e escritor irlandês Samuel Beckett, famoso principalmente pela obra Waiting For Godot (Esperando Godot), um dos maiores clássicos do teatro do absurdo, foi um importante membro da Resistência Francesa, chegando a receber duas condecorações por serviços prestados em prol da humanidade.

Porém, antes da homenagem e do reconhecimento, Beckett por pouco não foi morto durante a guerra. No outono de 1942, um informante se infiltrou em seu grupo e forneceu valiosas informações aos nazistas, resultando na morte e na captura de muitos dos amigos do partisan irlandês. “Percebendo que seu disfarce foi descoberto, Beckett e sua companheira Suzanne Deschevaux-Dumesnil vestiram seus casacos e deixaram o apartamento em Paris como se estivessem apenas saindo para uma caminhada”, narra o escritor canadense e professor de literatura Steve King.

Depois de dois meses vivendo em diversos esconderijos, o casal fugiu a pé em direção a uma remota montanha no sudeste da França. À época, eles andavam à noite e dormiam durante o dia. Até que se cansaram e optaram por esperar o final da guerra. Essa experiência marcou tanto a vida de Samuel Beckett que ele a usou como base para criar os dois personagens mais importantes de Waiting For Godot – Vladimir e Estragon.

Sobre a ideia do nome da obra, a hipótese mais aventada é a de que o irlandês um dia estava andando pelas ruas de Paris quando parou e perguntou a uma multidão o que eles estavam fazendo. “Estamos esperando por Godot”, disseram, em referência ao ciclista mais velho da Tour de France, e que ainda não havia passado por ali. “Ele escreveu uma das peças mais intrigantes do Século XX. Beckett nunca explicou o título dela. Ele preferia zombar de todos que tentassem explicar o seu significado”, comenta King.

A verdade é que o dramaturgo era um exímio apreciador da privacidade, e não abria mão disso por nada. Também se tornou cético em relação à linguagem literária e passou a vida entre a agonia psicológica e filosófica. Há quem acredite que tentaram transformá-lo em um homem romântico, mas ele não era nada disso. “Não, ele não era um sujeito charmoso, caridoso ou com uma polidez típica do Velho Mundo. Na realidade, ele não fazia questão de saber o que as pessoas achavam de suas palavras ou de sua vida”, revela o escritor canadense.

cas1127h

Peça estreou em 5 de janeiro de 1953 no Théâtre de Babylone, em Paris (Foto: Reprodução)

Waiting for Godot foi uma evasiva na vida de Samuel Beckett. Ele decidiu escrever a peça para se distrair e fugir de uma “horrível prosa” que estava concebendo em 1948. “Samuel Beckett queria criar algo divertido e fácil de produzir, uma obra para pagar as contas. Waiting For Godot não foi apenas uma mudança de ritmo e gênero, mas de linguagem. Ele esperava escrever a peça em francês para tentar desencadear algo novo”, comenta King.

A peça foi um divisor na vida do escritor. Um crítico chegou a dizer que, diante de Waiting For Godot, todas as peças francesas pareciam escritas com espinhos, não com canetas. Próximo da meia-idade, Beckett inovou ao aproximar o público da realidade do teatro do absurdo.

Com uma peça baseada em dois atos, e onde nada acontece duas vezes, os personagens mais parecem foragidos de um teatro de variedades. “É como se trancassem os Irmãos Marx, Charlie Chaplin e um palhaço em um horror tão absurdo que, sem nenhum tipo de antídoto, só restaria ao público as gargalhadas”, avalia Steve King.

Por anos, Suzanne Descheveaux-Dumesnil fez o trabalho que o dramaturgo depreciava. Ou seja, foi ela quem ofereceu a obra para mais de 40 produtores que se mostraram confusos e medrosos em relação à viabilização da peça. Quando realmente conseguiram encontrar alguém interessado no projeto, o desespero veio à tona através do elenco. Os atores sempre perguntavam o que Beckett queria dizer com os diálogos. E ele simplesmente encolhia os ombros, sem dar respostas.

Na noite de abertura, no dia 5 de janeiro de 1953, houve um burburinho sem precedentes no Théâtre de Babylone, em Paris. Os espectadores chegaram a disputar as cadeiras dobráveis de um café que ficava ao lado do teatro. Alguns qualificaram a peça como um embuste, uma fraude. Deixou muita gente confusa. Só que a maioria concordou com as impressões publicadas na primeira resenha: “Uma peça que faz jus ao nosso tempo”, escreveram.

Àquela altura, a pressão sobre Beckett cresceu muito. Todos queriam vê-lo, inclusive a imprensa e o diretor do espetáculo. No entanto, embora o escritor tenha comparecido a todos os ensaios, ele não prestigiou a estreia. Samuel Beckett desapareceu por duas semanas. Com o crescimento das controvérsias e da repercussão de Waiting for Godot, o dramaturgo foi cuidadoso e evitou a fama o máximo que pôde. “Estou cansado de todos esses mal-entendidos. Por que as pessoas têm que complicar uma coisa tão simples?”, lamentou.

Saiba Mais

Samuel Beckett nasceu em Dublin, na Irlanda, em 13 de abril de 1906 e faleceu em Paris em 28 de dezembro de 1989.

Vivendo em Paris em 1937, o escritor sobreviveu por quase uma década traduzindo obras de outros escritores. Durante esse período, publicou alguns poemas, ensaios e seu romance Murphy, lançado em 1938, depois de tantas dificuldades para encontrar um editor que acreditasse em seu trabalho.

Entre seus melhores trabalhos estão Waiting For Godot, Murphy, Molloy, Malone Dies, The Unnamable e Endgame.

Diálogo da página 23 de Esperando Godot

POZZO – (Cortante) Quem é Godot?
ESTRAGON – Godot?
POZZO – Vocês me tomaram pelo Godot.
VLADIMIR – Oh, não senhor! Nem por um momento, senhor.
POZZO – Quem é?
VLADIMIR – Pois é um …, é um conhecido.
ESTRAGON – Mas, vamos, não o conhecemos quase.
VLADIMIR – Evidentemente…, não lhe conhecemos muito bem…; não obstante…
ESTRAGON – Eu, certamente, não lhe reconheceria.
POZZO – Vocês me confundiram com ele.
ESTRAGON – Bem…, a escuridão…, o cansaço…, a debilidade…. a espera…; reconheço…que por um momento… acreditei…
VLADIMIR – Não leve em conta, senhor, não faça caso!
POZZO – A espera? Então, esperavam-lhe?
VLADIMIR – Quer dizer…
POZZO – Aqui? Em minhas terras?
VLADIMIR – Não pensávamos fazer nada de mau.
ESTRAGON – Tínhamos boas intenções.
POZZO – O caminho é de todos.
VLADIMIR – É o que nós dizíamos.
POZZO – É uma vergonha, mas é assim.
ESTRAGON – Não HÁ NADA A FAZER.

Referências

http://www.todayinliterature.com/

http://www.samuel-beckett.net/speople.html

Bair, Deirdre. Samuel Beckett: A Biography. Vintage. (1978).

Fletcher, John. About Beckett. Faber and Faber, London (2006).

Beckett, Samuel. Waiting for Godot: A Tragicomedy in Two Acts. Grove Press (2011)

Hermann Hesse e a política

without comments

“A política implica em tomar partido e ser partidário se opõe ao humanitarismo”

Biografia-de-Hermann-Hesse-9

Hesse deixou claro que sua identidade de escritor o impedia de se ver como alguém engajado politicamente (Foto: Hermann Hesse Stiftung)

Ao contrário de muitos escritores, o célebre autor alemão Hermann Hesse  jamais se envolveu com política. Em 1917, quando tinha 40 anos, e influenciado pelo contexto da época, Hesse deixou claro que sua identidade de escritor o impedia de se ver como alguém engajado politicamente, na literalidade. “Minha tentativa de desenvolver um gosto por assuntos políticos fracassou”, escreveu em carta que integra o acervo da Hermann Hesse Stiftung.

Ainda assim, anos antes, em 1912, o escritor alemão já não estava satisfeito com os rumos do Império Alemão, sob comando do kaiser Guilherme II, e decidiu se tornar o primeiro emigrante voluntário do país, mudando-se para a Suíça – um desejo também reforçado por conflitos familiares abarcando religião.

tumblr_n2cmkbLjyY1qgwmzso1_1280

“Humanitarismo e política, é praticamente impossível servir as duas ao mesmo tempo” (Foto: Hermann Hesse Stiftung)

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918, Hesse recebeu inúmeros convites para assumir cargos políticos na República Soviética da Baviera (Räterepublik) – todos foram declinados. Mais tarde, questionado sobre o motivo de jamais ter aceitado uma das ofertas, ele justificou: “Não me identifico com a política. Caso contrário, eu teria me tornado um revolucionário. Não tenho nenhum outro desejo em vida que não seja encontrar o meu próprio caminho, a minha espiritualidade.”

No entanto, segundo o escritor alemão Paul Noack, estudioso das obras de Hesse, isso não é motivo para criticá-lo, já que ele não era apolítico. A maior prova disso foi o seu comprometimento com a humanidade e o humanitarismo. “Humanitarismo e política são questões mutuamente exclusivas. Ambos são necessários, mas é praticamente impossível servir aos dois ao mesmo tempo. A política implica em tomar partido e ser partidário se opõe ao humanitarismo”, argumentou Hesse, um defensor da paz.

No início da Primeira Guerra Mundial, de acordo com informações da Hermann Hesse Stiftung, o escritor resistiu como um dos poucos intelectuais alemães que não se deixou levar pelo entusiasmo geral da guerra. Inclusive, entre 1914 e 1918, Hermann Hesse publicou dúzias de ensaios criticando as beligerâncias em jornais de língua alemã. Se engajou tanto em causas humanitárias que em 1915 ajudou a criar em Berna, na Suíça, um centro de bem-estar para prisioneiros de guerra.

Um dos primeiros críticos do nazismo, viu seus livros serem qualificados pelo Terceiro Reich como “indesejáveis”. Não chegaram a ser banidos da Alemanha, mas deixaram de ser publicados no país. Quem também se juntou a Hermann Hesse na época foi o ilustre Thomas Mann – autor de clássicos como “A Montanha Mágica”, “Os Buddenbrooks” e “Morte em Veneza”. Além disso, Hesse ajudou financeiramente muitos refugiados alemães.

No final da Segunda Guerra Mundial, tentando se valer do prestígio do escritor, a União Soviética, os Estados Unidos e a Inglaterra tentaram convencê-lo a se envolver na coordenação de uma ofensiva de paz. “Eu não sou amigo da guerra e não sou amigo dos Estados Unidos. Também não sou amigo da mentira e do uso de meios impróprios nas lutas políticas. Eu não lutaria nem por Truman nem por Stalin”, garantiu. E manteve a palavra até o dia 9 de agosto de 1962, quando faleceu aos 85 anos, em Montagnola, na Suíça.

Saiba Mais

Hermann Hesse é conhecido por obras como “O Lobo da Estepe”, “Sidarta”, “Demian”, “Narciso e Goldmund”, “Peter Camenzind” e “O Jogo das Contas de Vidro”,

No dia 14 de novembro de 1946, o escritor foi contemplado com o Prêmio Nobel de Literatura.

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar:





A perspectiva nipônica sobre a Segunda Guerra Mundial

without comments

Um dos melhores filmes de animação que já assisti (Imagem: Reprodução)

Hotaku no Haka, um dos melhores filmes de animação que já assisti (Imagem: Reprodução)

Recomendação – Hotaru no Haka, do cineasta japonês Isao Takahata, que no Brasil ganhou o nome de “Cemitério dos Vagalumes”, é um dos melhores filmes de animação que já assisti. É de uma beleza e sensibilidade que só quem assiste é capaz de compreender. Lançado em 1988, embora não pareça, retrata a perspectiva nipônica sobre a Segunda Guerra Mundial. Basicamente, mostra dois irmãos, ainda crianças, que perdem os pais durante a guerra e são obrigados a fazer de tudo para sobreviver.

O ponto mais conflitante da obra, que ora se aprofunda na inocência infantil, ora na degradação adulta, é a miséria humana e o embrutecimento social que privilegia o individualismo. Crianças que perdiam os pais na Segunda Grande Guerra eram privadas não apenas de alimentos, mas de existir, pelo simples fato de que à época pairava uma linha de pensamento: não divida igualitariamente a comida com um estranho, amigo, vizinho ou até parente se isso significa diminuir a sua perspectiva de vida ou a dos seus.

Não interessava se isso significava mais mortes. É cru, realista e profundo, pois desnuda a falsa ideia de que o único inimigo em tempos de guerra é aquele que ameaça a sua nação – ilusão. Hotaru no Haka é uma lição de vida. Quem assistir não vai se arrepender.

Written by David Arioch

December 31st, 2015 at 12:03 pm