David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Archive for the ‘Seres Humanos’ tag

Se quiser ter filhos, seja feliz. Se não quiser, que seja também

without comments

Os animais não afastam o ser humano de sua “humanidade”. Na realidade, eles a estimulam.

Há um texto sendo compartilhado em mídias sociais em que um senhor afirma que os bebês estão perdendo espaço para os “pets” ou “animais domésticos”, e que por isso estamos nos afastando de nossa “vocação humana”. Para ser honesto, não gosto muito do termo “pet”, porque como disse James Cromwell algumas vezes em entrevistas sobre direitos animais, quando falamos em “pet” há uma objetificação, uma reafirmação de uma ideia de que estamos falando de um ser vivo que parece que existe para nos servir, nos entreter. Claro que a ideia não é condenar quem usa o termo inocentemente, mas sim propor uma pequena reflexão.

O sujeito que publicou o texto em que critica quem convive com animais, mas não tem filhos, se posiciona como filósofo. Eu não o conheço, mas sei que no contexto da filosofia não cabe, ou pelo menos não deveria caber, senso comum ou discurso apelativo ou imponderado. Optar por não ter filhos não faz de ninguém menos humano. Desde a minha infância, tenho recordações de pessoas incríveis que marcaram a minha vida e optaram por não ter filhos.

“Teu individualismo revela tua natureza tão decadente e insuportável que somente um animal, devido a inocência, é capaz de tolerar-te, de ‘suprir’ a tua dificuldade de conviver e amar, de retirar-te da solidão, um dos tantos males da contemporaneidade.” Quando o sujeito faz tal afirmação, e extremamente agressiva se analisarmos a escolha das palavras, tenho a impressão de que ele está se referindo a pessoas que vivem em estoica misantropia.

Conheço mães e pais que são solitários, assim como pessoas que não têm filhos e não têm nenhum dos problemas citados acima. O ponto crítico desse tipo de afirmação é a óbvia generalização. Ter filhos ou não tê-los é direito de cada um. No texto, o autor afirma que o ato de ter filhos nos “humaniza”. Realmente ter filhos pode contribuir muito para o desenvolvimento humano, tenho exemplos disso na família. Mas isso não diz respeito a todos os seres humanos.

Não tê-los não significa caminhar em direção oposta. Muitos assassinos, criminosos e corruptos são pais de alguém. Acompanhe as notícias da realidade da violência intrafamiliar no Brasil e no mundo. Segundo a Fundação das Nações Unidas para a Infância, só no Brasil são registrados cinco casos por hora de violência intrafamiliar.

Sendo assim, está claro que ter filhos não “humaniza” todo mundo. Na realidade, acredito que essa percepção do ser humano que se transforma com a maternidade ou a paternidade é romântica. Sim, ela existe, mas não tanto quanto as pessoas gostam de fazer parecer, o que naturalmente é uma herança histórica cultural. E claro, quando a alçamos a níveis irreais, ela é mais idealizada do que vivida.

Muitas vezes, pessoas que vivem reclusas em seus pequenos círculos sociais, em suas zonas de conforto, acabam por ter dificuldade em perceber a heterogeneidade que isso abarca. Ter filhos, sem dúvida, pode ser um ato de amor, mas não tê-los não é um ato de desamor. Ademais, sabemos que há muitas pessoas que somente colocam filhos no mundo, mas não os educam nem dão amor.

Desrespeito, ausência de limites, comportamento violento, desvio de caráter, imoralidade, abandono…; não raramente isso faz parte do kit Omissão e Falta de Estrutura Familiar. Além disso, em um país cada vez mais populoso, não acho justo condenar pessoas que não querem ter filhos. Que cada um tenha o direito de fazer suas próprias escolhas. Se quiser ter filhos, seja feliz. Se não quiser, que seja também.





Written by David Arioch

November 14th, 2017 at 2:13 pm

Por que não somos carnívoros?

without comments

Em seu livro “The 80/10/10/ Diet”, o escritor Douglas N. Graham explica porque não somos carnívoros

Dr. Douglas Graham

Graham discorre sobre características que vão desde as fórmulas dentárias à tolerância à gordura (Foto: Reprodução)

Em 2006, o escritor estadunidense Douglas N. Graham publicou a primeira edição do livro “The 80/10/10 Diet”, lançado no Brasil com o título “A Dieta 80/10/10: Balanceando sua saúde, seu peso e sua vida, a cada doce mordida”. Em um dos capítulos, ele apresenta argumentos que explicam por que é um grande engano muitas pessoas acreditarem que são carnívoras. Para endossar seu posicionamento, Graham, ex-atleta e defensor do crudivorismo, discorre sobre características que vão desde as fórmulas dentárias à tolerância à gordura:

Fórmulas dentárias: Há um sistema chamado de “fórmula dentária” para descrever a disposição dos dentes em cada quadrante da mandíbula da boca de um animal. Isso se refere ao número de incisivos, caninos e molares em cada um dos quatro quadrantes. Começando do centro e movendo-se para fora, nossa fórmula é a da maioria dos antropoides, é 2/1/5. A fórmula dentária carnívora é 3/1/5 a 8.

Dentes: Os molares de um carnívoro são pontudos e afiados. Os nossos são primariamente retos, para triturar os alimentos. Nosso dente “canino” não espelha nenhuma semelhança com verdadeiras presas. Nem temos uma boca cheia deles, como um verdadeiro carnívoro tem.

Tamanho do fígado: Carnívoros têm fígados maiores proporcionalmente ao seu tamanho corporal comparados aos humanos.

Andar: Nós temos duas mãos e pés e andamos eretos. Todos os carnívoros têm quatro patas e fazem sua locomoção usando as quatro.

Língua: Apenas os verdadeiros animais carnívoros têm línguas grossas (ásperas). Todas as outras criaturas têm línguas suaves.

Garras: Nossa falta de garras para rasgar a pele e a carne torna esta tarefa extremamente difícil. Possuímos unhas retas e muito mais fracas ao invés das garras.

Polegares Opostos: Nossos polegares opostos nos fazem extremamente equipados para coletar uma refeição de frutas em questão de poucos segundos. A maioria das pessoas faz o processo sem esforço algum. Tudo o que temos a fazer é pegar. As garras dos carnívoros permitem que eles peguem nas suas presas em questões de segundos também. Não podemos pegar ou rasgar a pele ou carne de um veado ou de um urso, mais do que um leão poderia pegar mangas ou bananas.

Nascimento: Humanos dão à luz a uma criança de cada vez. Carnívoros normalmente dão à luz a ninhadas.

Formação do Cólon: Nossos cólons enrolados são bem diferentes em formação se comparado aos suaves cólons dos animais carnívoros.

Glândulas mamárias: as tetas múltiplas no abdômen dos carnívoros não coincidem com o par de glândulas mamárias no peito dos humanos.

human-anatomy-teeth

Diferença nas fórmulas dentárias (Imagem: Dr. Smilez)

Trato intestinal: nossos tratos intestinais medem aproximadamente doze vezes o comprimento de nossos torsos (em torno de nove metros). Isso permite a absorção de açucares e outros nutrientes que provêm da água das frutas. Em oposição, o trato digestivo dos carnívoros é apenas três vezes o comprimento do seu torso. Isso é necessário para evitar o apodrecimento e decomposição da carne dentro do animal. O carnívoro depende de secreções altamente ácidas para facilitar a rápida digestão e absorção em seu tubo bem curto. Ainda assim, a putrefação de proteínas e as gorduras rançosas são evidentes em suas fezes.

Tolerância a micróbios: A maioria dos carnívoros pode digerir micróbios que seriam mortais para os humanos, tais como os que causam botulismo.

Sono: Humanos passam em média dois terços de cada ciclo de 24 horas acordados. Carnívoros tipicamente dormem e descansam de 18 a 20 horas por dia e algumas vezes mais.

Perspiração: Humanos suam através dos poros pelo corpo inteiro. Carnívoros suam através das suas línguas apenas.

Visão: Nosso sentido da visão responde a todo o espectro de cores, tornando assim possível nossa distinção entre frutas maduras e não maduras à distância. Carnívoros tipicamente não veem todos os aspectos de cores.

Tamanho da refeição: Frutas são do tamanho certo da nossa necessidade alimentícia. Cabem na nossa mão. Uma porção de fruta é o suficiente para uma refeição, não causando desperdício. Carnívoros normalmente comem o animal inteiro quando eles o matam.

Bebendo: Se precisamos beber água, podemos sugar com nossos lábios, mas não podemos empurrá-la para dentro. As línguas dos carnívoros são protuberantes para fora a fim de poderem jogá-la para dentro, quando precisam beber.

Placenta: Temos uma placenta em forma de disco, enquanto os carnívoros têm uma placenta zonária.

Vitamina C: Carnívoros produzem a sua própria vitamina C, enquanto para nós a vitamina C é um nutriente essencial que precisamos obter por meio da nossa própria comida.

Movimento da mandíbula: Nossa habilidade de moer nossos alimentos é exclusiva dos herbívoros. Carnívoros não possuem o movimento lateral de suas mandíbulas.

Tolerância à gordura: Nós não conseguimos lidar com mais do que pequenas quantidades de gordura também. Carnívoros prosperam em uma dieta hiperlipídica.

Saliva e pH da urina: Todas as criaturas que se alimentam de vegetais (incluindo humanos saudáveis) mantêm a saliva e a urina alcalina a maior parte do tempo. A saliva e a urina dos animais carnívoros, entretanto, é ácida.

PH da dieta: Carnívoros prosperam em uma dieta de alimentos acidificantes, enquanto tal dieta para humanos seria mortal, abrindo o caminho para uma grande variedade de doenças. Nossos alimentos prediletos são alcalinizantes.

PH ácido do estômago: O nível do pH dos ácidos clorídricos que os humanos produzem no estômago geralmente varia entre 3 a 4 vezes ou mais, mas pode chegar a 2 (0 = mais ácido, 7 = neutro, 14 = mais alcalino). O nível do ácido estomacal de gatos e outros carnívoros pode chegar a 1, mas normalmente fica em 2. Por causa da escala do pH ser logarítmica, isso significa que o ácido estomacal de um carnívoro pode ser 10 vezes mais forte do que o de um humano e pode chegar a ser 100 vezes ou até mesmo 1000 vezes mais forte.

Uricase: Carnívoros verdadeiros secretam uma enzima chamada uricase para metabolizar o ácido úrico da carne. Não secretamos essa substância e precisamos neutralizar esse forte ácido com nossos minerais alcalinos, primeiramente o cálcio. O  resultado deste cálcio forma pedras nos rins e é um dos muitos patogênicos do consumo de carne, nesse caso criando ou contribuindo para a gota, artrite, reumatismo e bursite.

Enzimas digestivas: Nossas enzimas digestivas são feitas para facilitar principalmente a digestão de alimentos vegetais. Produzimos a amilase pancreática – também conhecida como “amilase salivar” – para iniciar a digestão de frutas. Animais comedores de carne não produzem esta enzima e tem níveis de enzimas digestivas completamente diferentes das nossas.

Metabolismo do açúcar: A glucose e a frutose nas frutas abastecem nossas células sem forçar nosso pâncreas (a não ser que comêssemos uma dieta hiperlipídica). Carnívoros não lidam com açucares facilmente. Eles são propensos a diabetes, se comerem uma dieta predominante de frutas.

Flora intestinal: Humanos têm colônias de bactérias (flora) vivendo em seus intestinos, diferentes daquelas encontradas nos animais carnívoros. Aquelas que são similares, tais como lactobacilus e a Escherichia coli, são encontradas em diferentes quantidades em intestinos de herbívoros, não de carnívoros.
 
Apetite natural: Nossa boca saliva com a visão e o cheiro das frutas. Mas o cheiro de animais geralmente nos dá náuseas. A boca dos carnívoros saliva ao ver a presa, e eles reagem ao cheiro dos animais como se sentissem a comida.

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar:





Written by David Arioch

December 30th, 2016 at 2:05 pm