David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Archive for the ‘Stroszek’ tag

“Stroszek”, o mundo de Bruno

without comments

“Stroszek” foi lançado por Werner Herzog em 1977 (Foto: Reprodução)

Em 1977, o cineasta alemão Werner Herzog lançou “Stroszek”. No filme, Bruno S. tem problemas psicológicos e é alcoólatra, mas sua condição individual é apenas resultado do meio. Ou melhor, da ausência de um meio. Depois de deixar um hospital psiquiátrico, reencontra Eva, jovem que parece ter sido a única pessoa a se importar com ele ao longo de toda a sua vida. Motivado por ela, decide se afastar da inapetente e gélida realidade de Berlim para buscar um futuro melhor nos Estados Unidos. Um futuro que nunca almejou verdadeiramente.

Bruno S. quer apenas passar seus dias nos becos tocando acordeão para uma plateia de dois ou três curiosos que escoram nas janelas. Dinheiro não significa nada, mas beber permite um passeio fora de si, uma divagação pela órbita existencial extemporânea. Ser a si mesmo na proporção do não ser. Sensibilidade à flor da pele, incomunicabilidade – defeitos e predicados de Bruno S.

Bruno S. não quer muito, mas, na sua inocência rarefeita, se arrisca pelos outros – por um amigo idoso e pela moça que o cativa como a raposa de Exupéry. Nos Estados Unidos, onde a fronteira idiomática impede que os outros entendam o que diz, reconhece que a violência dos valentões que o incomodavam diariamente nas ruas de Berlim se transforma em uma violência da incomunicabilidade. Agora é uma violência espiritual e econômica.

Ele, que não sabe nada de inglês, confia nos outros e continua orbitando por um cenário inapetente e uma gélida realidade. Uma cidadezinha qualquer de Wisconsin ou Berlim, Bruno não via diferença. Parecia tudo igual. American way of life? No way! Mas na Alemanha pelo menos alguém entenderia o que ele diz, mesmo regularmente ignorado. Com Eva, compra casa, TV e outros eletrodomésticos. Não ganham o suficiente e não honram o financiamento, o banco não perdoa. Eva foge para Vancouver com um caminhoneiro que conhece na lanchonete de beira de estrada onde trabalha como garçonete.

Bruno S. revive a solidão de sempre. Levam sua casa, sua TV e os outros eletrodomésticos. Ele não tinha como pagar, e o banco, de certo, não iria perdoar. Já sem ter onde morar, participa de um assalto com seu velho amigo e idoso Scheitz que, revoltado, planeja um assalto. Não, não foi planejado. Num rompante de cólera, pegam uma arma, ameaçam invadir um banco e desistem. Parece difícil. Então assaltam o vizinho, barbeiro, alvo fácil – mas que, segundo eles, também financia o banco, logo é tão culpado quanto.

Usam o dinheiro para comprar comida. Não há tempo para uma refeição. Scheitz é preso e Bruno S. parte sem destino com um caminhão-guincho e uma arma. Problemas no caminhão, o abandona ligado e circulando pelo mesmo lugar ou lugar nenhum à beira da estrada. Pega fogo. Dane-se. Gasta suas últimas moedas em uma máquina onde uma galinha toca piano incessantemente. Bruno S. sorri enquanto tudo gira, tudo vai e volta para o mesmo lugar. Um ciclo vicioso ou apenas um ciclo. Sonho, alienação, expectação, desesperança, tanto faz. Um pouco de tudo, um pouco de nada.

A ele, parece que isso já não diz nada, também já não desperta nada. Bruno S. não sonha, mas continua lançando chispas de inocência. Sobe, desce e sorri, continua sorrindo, imerso no momento. O resto não interessa mais.

 

Written by David Arioch

August 29th, 2018 at 1:40 am