David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Um olhar sensível sobre o homem negro

without comments

alma_no_olho

“Alma no Olho” é esteticamente silencioso porque o barulho é despertado na mente do espectador (Foto: Reprodução)

Em 1973, o ator e cineasta Zózimo Bulbul lançou o filme experimental de curta-metragem “Alma no Olho”, de 11 minutos. Na obra intimista, um olhar sensível sobre a escravidão, vemos um homem negro. Somos levados a conhecê-lo fisicamente. A câmera parte do todo para acompanhar os detalhes do seu corpo. Seu semblante, seu sorriso, o seu suor e a sua dor são tão reais e intensos quanto de qualquer outro ser humano.

No filme, uma metáfora da vida, o personagem é privado da liberdade. A alegria de viver, celebrada com música e dança, é substituída por grilhões que o impedem de existir. Sua reação é de estranheza e desespero. A princípio, a resignação o vence, mas ele desperta e resiste.

Quando ganha a liberdade, comemora, sem se dar conta de que continua preso aos grilhões da escravidão. A vida segue, e ele aceita tudo passivamente, até se dar conta de que a sua liberdade depende em primeiro lugar da sua conscientização e da sua verdadeira resistência. Então ele se liberta das correntes e segue seu caminho.

“Alma no Olho”, metáfora da escravidão e da liberdade do homem negro, é um filme que tem apenas um personagem em um mesmo cenário, que pode ser qualquer lugar, já que a escravidão e o preconceito não têm local específico para acontecer. Ademais, é esteticamente silencioso porque o barulho é despertado na mente do espectador, testemunha das ações e das emoções que guiam e dominam o protagonista.

Written by David Arioch

December 5th, 2016 at 11:48 pm

Leave a Reply

%d bloggers like this: