David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Do picadinho ao cardápio exótico

with 4 comments

Bar e Restaurante Toyokawa atravessa gerações e se consolida como um dos pontos mais tradicionais de Paranavaí

Bar São Paulo, o primeiro da Família Toyokawa (Foto: Acervo Familiar)

Bar São Paulo, o primeiro da Família Toyokawa (Foto: Acervo Familiar)

Há mais de 60 anos, quando Paranavaí, no Noroeste do Paraná, ainda era distrito de Mandaguari, e o principal meio de transporte eram as charretes, a família Toyokawa fundou um bar que se tornaria um dos pontos mais tradicionais da cidade.

Em 1949, o Bar São Paulo, que se tornaria Bar e Restaurante Toyokawa, entrou em operação quando veículos de tração animal eram os únicos aptos a circularem pelo solo arenoso de Paranavaí. “Em frente ao estabelecimento, tínhamos um ponto de charrete. Havia um areião que você nem imagina”, conta o proprietário Kengo Toyokawa.

À época, os moradores da zona rural se satisfaziam em ir até o bar para relaxar após um dia de trabalho. O estabelecimento era tão atrativo que se tornou um salão de festas. ”Eram realizadas comemorações de nascimento, casamento e aniversário. Tudo era feito no bar”, garante o empresário.

Yoneiti e Shitsue Toyokawa, pais de Kengo, preparavam pratinhos com 100, 200 gramas de carne para os convidados se deliciarem com pequenas fatias de pão. Os fregueses adoravam. A alegria dos moradores do campo era ir até o bar comer sardinha em lata e carne picadinha, segundo Kengo Toyokawa que ainda acrescenta: “O picadinho foi o pontapé inicial na tradição do bar e restaurante familiar.”

No início, bar já era familiar

Há 60 anos, o bar já era familiar (Foto: Acerco Familiar)

Dos oito filhos do casal, Paulo Toyokawa resolveu dar continuidade ao legado, inclusive incluiu novas iguarias no cardápio. Mas, em 1990, resolveu deixar o bar. Kengo, que morava em São Paulo, retornou a cidade e assumiu o negócio. “Eu estava cansado de mexer com tanta papelada numa seguradora. A gente fazia relatórios manualmente, não tinha computador”, conta.

Alguns anos depois de Kengo tomar a frente do estabelecimento, o cardápio que contava com 10 iguarias teve um aumento de 500%. “Aumentei para 50 aperitivos. Sempre fiz triagem para o pessoal não enjoar”, afirma. Atento ao gosto da clientela, se três fregueses não gostavam de algo no menu, o empresário o descartava.

Atualmente o Bar do Kengo é conhecido pelo cardápio exótico, a oferta de iguarias dificilmente encontradas em outros lugares, como jacaré, coelho e rã frita. “Antes eu servia testículos de peru. Alguns diziam que peru nem tinha testículo. Então eu ia lá no fundo pegar o testículo para mostrar a eles”, conta, às gargalhadas, Kengo.

A surpresa com o aperitivo se deve ao fato de apenas dois estabelecimentos o receberem na época. “Fizeram uma pesquisa sobre isso. Só havia um fornecedor de testículos de peru no Brasil. Só eu e outro cara o recebíamos”, declara. Questionado sobre as lembranças desde que começou a dirigir o bar, Kengo Toyokawa brinca: “Só lembro que já matei muita gente de cirrose”.

Bar do kengo atrai fregueses de outros países

Mas não são apenas os moradores de Paranavaí que apreciam o ambiente e o cardápio do Bar e Restaurante Toyokawa. “Tive fregueses da Espanha que elogiaram bastante. Já fui parabenizado por clientes de Lynchburg, Tennessee (EUA), onde é fabricado o Whisky Jack Daniels”, diz, orgulhoso, Kengo Toyokawa.

O cardápio que reúne mais de 50 pratos atrai até fregueses de São Paulo e Rio de Janeiro. Segundo Toyokawa, viajantes, que representam 70% da freguesia do estabelecimento, ficam surpresos com a qualidade do bar. Às vezes agrada tanto que surgem convites. “Um freguês falou pra eu montar uma filial onde ele mora. Não penso em abrir franquia, mas posso vender o know-how”, destaca.

Kengo dá todas as dicas, repassa fornecedores e monta a cozinha. “Mas Tem de ser um bar em que a família vai trabalhar. Nada de contratar pessoas de fora”, assinala. Também é necessário que a cidade tenha pelo menos 70 mil habitantes porque os produtos precisam ser comprados em grande quantidade. “Busco peixe lá perto de Floraí e o fornecedor não me vende menos de 70 kg de pacu”, exemplifica.

De acordo com Kengo, o atendimento precisa oferecer um diferencial. “Não vou dizer que aqui é tudo 100%, existem algumas falhas, mas fazemos tudo que está ao nosso alcance”, avalia o empresário que já conquistou o paladar de Maguila, Ari Toledo, Ricardo Chab e muitos outros humoristas, comediantes e políticos.

Kengo enfrentou problemas no antigo ponto

Para o empresário Kengo Toyokawa, não há ponto melhor para o Bar e Restaurante Toyokawa do que o atual. Segundo ele, o antigo era bastante movimentado, cerca de 150 pessoas passavam pelo bar a cada noite, mas com a grande movimentação surgiram também os problemas.

“O cara ocupava determinada mesa e quando íamos até lá, ele estava quase na metade da outra esquina. Saía sem pagar”, lamenta Kengo. Havia 40 meses no bar e a situação era difícil porque o controle da freguesia era feito manualmente. Nessa época, o estabelecimento ficou conhecido como “bar de homens”. “Aqui já houve uma mudança bem gostosa. A freguesia é formada por famílias e universitários. No geral, gente bonita”, relata.

O Bar e Restaurante Toyokawa está no mesmo ponto desde 2000 e todos os méritos são do proprietário. “Aprendi a preparar muitos pratos asiáticos. Além disso, sempre vou onde estão ensinando pratos exóticos, adoro aprender, não importa a distância”, reitera Kengo que mantém uma ala vip no estabelecimento. A área é destinada a confraternizações e também pessoas que preferem privacidade.

Curiosidade

O empresário Kengo Toyokawa já vendeu 350 caixas de cerveja por mês, uma marca que lhe rendeu uma viagem, como gratificação do distribuidor, para a Copa do Mundo de 1998, na França.

4 Responses to 'Do picadinho ao cardápio exótico'

Subscribe to comments with RSS or TrackBack to 'Do picadinho ao cardápio exótico'.

  1. Olá David! Estou super impressionada com seu blog e toda a informação bacana q encontrei! Parabéns! Já esta no Favoritos! Sou de Paranavai, vivendo em Curitiba a 17 anos, mas com o coração na Terrinha…
    Abraço

    Margareth Krause

    19 Jun 09 at 12:54 pm

  2. David, sou visitante assíduo de seu blog. Desde que o conheci sinto falta quando você fica muito tempo sem postar.

    Ah, e me desculpe, mas eu nunca fiz comentárioa qui porque, embora procurasse a alternativa, não a via, especialmente porque a procurava ao final do post. Só hoje é que percebi que está no começo.

    Parabéns por se dedicar em resgatar a história desse nosso torão natal, viu?

    abs

    P.S.: de há muito l´[a linkei seu blog.

  3. Olá David, parceiro de profissão (agora sem diploma né?). Cassaram nosso título.
    Queria te dizer que tenho acompanhado teu trabalho na área cultural e que considero teu texto uma grata viagem ao mundo das palavras.
    Fazia tempo que não me deparava com alguém que escrevesse com leveza, e diga-se de passagem, com lógica e bom português.
    Também já escrevei uma matéria sobre o Bar do Kengo, do qual sou antiga frequentadora. Inclusive, o Kengo usou meu texto no seu cardápio, o que muito me honrou.
    Penso que teu texto também merece lugar de destaque, e não deveria ficar escondidinho aqui.
    Parabéns garoto, e, continue me surpreendendo, sempre.
    Abraços.

    Silvana Porto

    1 Jul 09 at 9:51 pm

  4. Muito bem David, sou filho de pioneiros, mãe Odair Carvalho Cruz, primeira professora nomeada pelo estado, pai, Gentil Cruz, primeiro alfaiate de Paranavai, junto com seu irmão Egídio Cruz. Boas lembranças da cidade. Fui aluno da Escola Paroquial Nossa Senhora do Carmo, Colégio Estadual de Paranavai. Meu avo, Waldomiro Carvalho, trabalhava com Capitão Telmo, junto com Ulisses Faria Bandeira traçou ruas da cidade.

    Clayton Evaristo Cruz

    12 Apr 15 at 2:23 pm

Leave a Reply

%d bloggers like this: