David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

O belo nunca vai ser simplesmente belo

without comments

"Joven Beduina", de Luis Ricardo Falero (Pintura de 1891)

“Joven Beduina”, de Luis Ricardo Falero, de 1891

O belo nunca vai ser simplesmente belo porque a beleza é uma forma completa de cognição, não apenas uma palavra vazia atribuída de um valor físico que reflete, partindo do senso comum, a jovialidade humana suscetível ao definhamento.

A beleza ou preservação dela envolve fatores de atração e abstração. É no belo também que desde sempre o homem se inspira para criar mitos e lendas que se perpetuam no imaginário das pessoas.

Acreditar na beleza como superficial é uma perspectiva canhestra ou equivocada. Quantas obras de arte, das mais diversas ramificações, foram produzidas inspiradas no que a beleza humana é capaz de despertar? Sem contar com a elevação à posteridade…

Antes de morrer, em 7 de outubro de 1849, o escritor Edgar Allan Poe escreveu que beleza de qualquer tipo, em seu desenvolvimento supremo, invariavelmente excita a alma sensível às lágrimas, o que justifica porque o belo surpreende sem ser tipificado.

Written by David Arioch

December 4th, 2016 at 4:24 pm

Posted in Autoral,Críticas,Reflexões

Tagged with ,

Leave a Reply

%d bloggers like this: