David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

De Bamberg a Paranavaí

with 8 comments

Enfermeiro da Segunda Guerra Mundial cumpriu missão e encontrou paz no Brasil

Padre era tímido e não gostava de ser fotografado sozinho (Foto: Acervo da Ordem do Carmo)

Padre era tímido e não gostava de ser fotografado sozinho (Foto: Acervo da Ordem do Carmo)

Depois de enfrentar as tragédias da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o padre e enfermeiro alemão Bonaventura Einberger veio a Paranavaí com a missão de construir um seminário em Graciosa, distrito de Paranavaí, no Noroeste do Paraná. Além de concluir o trabalho, adotou o Brasil como pátria e aqui viveu ao longo de 31 anos.

Em meados de 1953, o frei alemão Ulrico Göevert, que já vivia em Paranavaí, pediu para a Ordem dos Carmelitas na Alemanha enviar um padre apto a construir um seminário em Graciosa. “O frei Bonaventura mal chegou e já foi visitar propriedades nas imediações da igreja. Ali ele escolheu um sítio. No dia seguinte, começaram a derrubada da mata”, conta a pioneira Francisca Schiroff.

Entre o início da construção e a inauguração, passaram nove meses. A maior parte do investimento veio da Ordem dos Carmelitas da Alemanha. De acordo com Francisca, quase todos da comunidade ajudaram, mas o destaque maior foi o frei Bonaventura que viveu em função do Seminário Imaculada Conceição.

Antes de chegar a Graciosa, onde a quietude se contrastava apenas com o som preponderante da natureza, Einberger ainda mantinha fresca em suas lembranças os sons de bombas, metralhadoras e gritos exasperados, consequência de dores, na maioria das vezes, irremediáveis.

Tudo começou em meados da década de 1940, quando o frei Bonaventura foi convocado a compor um grupo de enfermeiros em um navio do Terceiro Reich. Segundo a pioneira, o padre cuidou de centenas de soldados alemães que se feriram na linha de frente.

A guerra fez com que Bonaventura Einberger perdesse o contato com os familiares, principalmente com os irmãos Otto Einberger, inspetor-chefe da SS (Schutzstaffel), unidade de elite da polícia nazista, e o caçula Heinrich Einberger, soldado do Exército alemão.

Ao final da Segunda Guerra Mundial, Einberger desconhecia o paradeiro dos irmãos. “Otto, que tinha 38 anos, foi capturado pelo Exército soviético. Ele ficou oito meses em uma prisão russa próxima de Moscou, até que foi encontrado morto depois do fim da guerra”, revela Francisca, referindo-se ao fatídico dia 13 de outubro de 1945.

Bonaventura, inconformado com a morte do irmão, decidiu buscar o corpo para enterrá-lo em Bamberg, sua cidade natal. O corpo de Heinrich nunca foi encontrado e a única conjetura possível é a de que foi alvejado em um confronto terrestre com os soviéticos.

Em 1953, depois de perder os pais e os irmãos, surgiu uma oportunidade de deixar tudo para trás. Acompanhado pela cunhada e três sobrinhos, filhos do irmão Otto Einberger, o frei Bonaventura veio a Paranavaí. “Eles compraram um sítio de cinco alqueires aqui em Graciosa e fixaram residência, com exceção do frei que vivia no seminário”, garante Francisca.

Einberger era discreto e reservado

Quando chegou a Graciosa, o frei Bonaventura Einberger foi recebido por todos os moradores do distrito. “Ele falou muito obrigado em português”, relembra a pioneira Francisca Schiroff que durante décadas guardou um grande baú de madeira que pertenceu ao frei.

O objeto foi doado para a Fundação Cultural de Paranavaí e colocado em exposição no Museu Histórico de Paranavaí que funciona na Casa de Cultura Carlos Drummond de Andrade. “Ele trouxe grandes caixas de madeira. Veio com toda a mudança. A ideia dele já era se fixar aqui”, destaca Francisca.

Quando aprendeu a falar fluentemente em português, o frei Bonaventura visitou todas as capelas da região. “Ele ia a cavalo, não tinha pressa. Inclusive quando o animal ficava com fome e havia algo na beira da estrada, ele parava e deixava o cavalo comer. Tinha dó”, conta Francisca sorrindo. O equino foi o principal meio de transporte do frei durante sete anos, até que ganhou um jipe da Ordem dos Carmelitas.

Segundo a pioneira, Einberger era bastante amistoso e jamais teve qualquer tipo de inimizade. “Acho que todo mundo gostava dele justamente por não se envolver com política e assuntos familiares. Só ajudava quando lhe era solicitado, algo constante”, informa, referindo-se a uma época em que padre desempenhava papel de conselheiro.

No entanto, Bonaventura Einberger era bastante reservado e tímido. A pioneira conta que o padre era acanhado a ponto de evitar ser fotografado sozinho. “Me recordo também que festas para ele tinham de ser surpresa, do contrário, ele fugia”, enfatiza em tom de nostalgia.

Frei alemão adotou pátria brasileira

Quando, por curiosidade, questionavam o frei Bonaventura Einberger sobre as agruras vivenciadas durante a Segunda Guerra Mundial, a expressão do padre mudava na hora. Hesitante e apreensivo, se limitava a dizer que era algo horrível.

Einberger torcia para que qualquer guerra jamais chegasse ao Brasil, citando a experiência de ter visto tantas pessoas morrendo. “Falava também que viu muitas casas sendo bombardeadas, noite após noite”, reitera a pioneira Francisca Schiroff.

Quando o assunto era o Brasil ou nova pátria, como ele mesmo dizia, o frei Bonaventura, com um sorriso cândido e olhar profundo, afirmava que não errou em escolher um país que tem tudo para estar entre os melhores do mundo. “Dizia que aqui é muito bom para se viver. Era algo muito sincero, tanto que ele esteve com nós até o dia de sua morte”, lembra a pioneira Francisca Schiroff emocionada.

O frei Bonaventura Einberger faleceu em 14 de novembro de 1984, aos 80 anos, em decorrência de algumas complicações envolvendo rins, pulmão e coração. “Agradecemos por ele não ter ficado muito tempo acamado. Foi uma grande perda, ainda mais se tratando de uma pessoa que dedicou sua vida ao povo de Graciosa e de Paranavaí”, enfatiza Francisca.

Saiba Mais

O frei Bonaventura Einberger está enterrado na cripta da Igreja São Sebastião em Paranavaí.

Ele nasceu em Bamberg no dia 15 de fevereiro de 1904 e se tornou sacerdote em 29 de junho de 1929.

Contribuição

Este é um blog independente, caso queira contribuir com o meu trabalho, você pode fazer uma doação clicando no botão doar:





8 Responses to 'De Bamberg a Paranavaí'

Subscribe to comments with RSS or TrackBack to 'De Bamberg a Paranavaí'.

  1. Paranavaí precisava de conteúdo rico em cultura… Parabéns… um blog muito bom para se visitar diariamente como os blogs, Joaquim de Paula, Noroestão e o site paranavaí Online, cada um com suas qualidades únicas…

    Wellington

    18 Feb 09 at 12:48 am

  2. David, maravilhosa linha editorial que você tomou para este seu blog: a história.

    Principiando com a homenagem ao Frei Boaventura, com quem não tive contato pessoal em minha formação aí em Paranavaí, mas o Seminário de Graciosa, que ele fundou, faz parte de um trecho da história que venho compondo num dos livros que estou escrevendo.

    Em minha vida a influência e convivência foi maior com o saudoso Frei Ulrico, que me fazia rir demais quando percebia que eu estava “matando aulas” na Paroquial e, ele, com o velho hábito marrom, suas sandálias enormes, de dedo em riste e aquela barriga saliente, gritava de longe, lá de cima da escadaria da antiga Igreja São Sebastião, onde eu fui batizado:
    – Miníííno, volta aqui!!!
    E eu respondia, com a costumeira deseducação juvenil dum moleque levado que fui:
    – Vou nada, Frei! Amanhã eu volto…
    E voltava… mas só no outro dia mesmo, porque ele adorava “puxar” nossas orelhas. E tinha razão nisso!

    Tempo lindo, inesquecível, David! Por isso tenho feito questão de escrever tudo, seja para meus filhos e netos, seja para quem jamais conhecerei.

    Abraços, e vida longa ao seu blog.

  3. muito legal seu blog nota 1000.
    é um dos melhores blogs que ja visitei
    e olha q visito muitos, estou aki para
    propor uma parceria série com o seu
    blog, sou dono do blog
    http://curiosidadesonline.wordpress.com
    meu blog trata de curiosidades do mundo
    muito legal entre e confira, se estiver interessado
    em uma troca troca de link ou banner, se caso estiver afim entre em contato
    pelo blog.
    Grato

    curiosidadesonline

    18 Feb 09 at 5:14 pm

  4. Prezado David,
    Meus respeitos.

    Com emoção li as informações a respeito do Frei Boaventura (era assim que o chamavamos).

    Fomos (eu e meu irmão) alunos do Frei Boaventura no Seminário da Graciosa, da tb inesquecível matemática (Talvez por isso sou engenheiro) que o frei ensinava com tanta clareza e caronho a todos nós.

    Tenho boas recordações destes tempos.

    Parabéns.

    Obrigado pelas emoções

    Ilson – Rondonópolis/MT

    Ilson Pereira dos Santos

    30 Dec 09 at 5:21 pm

  5. caros amigos. Gostei e senti muitas saudades, quando vi a foto do frei Bona, como costumavamos chamar. Estudei no seminário de Graciosa 5 anos anos e o frei Boaventura era nosso professor de matemática – quando não sabíamos alguma coisa da lição ele tocava de leve na nossa cabeça e dizia” also, senor, não sabe? Realmente um grande homem, confessor de todos os seminaristas, pois sempre dava como penitencia uma ave-maria. Abraços obrigado. Grandão.

    Antonio Carlos A.de Faria

    30 Dec 09 at 5:47 pm

  6. Prezado David:

    Fui aluno do Pe. Boaventura, no Seminàrio de Graciosa, em 1960.
    Confesso que, alèm de ser um excelente professor de matemàtica, era um padre quase santo.
    Humilde, simples, recatado, zeloso, dedicado, puro, amigo, ouvia muito e falava pouco.
    Nunca levava adiante as conversas que incluiam a Alemanha, a Guerra ou a crítica a quem quer que seja.
    Nao me lembro de te-lo visto dirigindo automòveis, mas me lembro dele no lombo de um burrinho, quando ia do Seminàrio ao bairro Santa Monica (aprox. 5 km).
    Me lembro bem do dia da fundacao de Brasìlia (21-04-60), que nós acompanhávamos pelo rádio, e no qual sua emocao parecia transbordar dos seus olhos, brilhantes, úmidos, quase marejados, cravados na sua face vermelha.
    Era como se ele quisesse deixar claro que fazia parte de um país que estava nascendo naquele momento, e que fazia parte de uma naçao que só entao vinha aa tona neste marzao-de-meu-Deus!

    Parabèns pra´ voce! E para todos nós, surucuás de Paranavaí!

    Abraços!

    Ricardo (ou balestraricardo@yahoo.br )

    PS: desculpe os erros, estou usando um pc galego, em Santiago do Chile.

  7. Bonita a história e folgo em saber que estudei junto com meu irmão Artur no seminário, onde tenho agradáveis recordações.
    Parabéns pelo blog

    abraços

    nilo

    Nilo Sampaio

    5 Jan 10 at 12:53 pm

  8. Estudei no Seminário de 64/68. Como é bom saber de detalhes deste grande Homem que sabiamente adotou o Brasil como sua segunda pátria. Foi meu professor de matemática e aprendi muito com Ele. Depois de tirar três notas máxima em matemática, relaxei e tirei um 4 no última bimestre. Com três já havia completado o suficiente para obter aprovação mas e Ele “Frei Bona”, não viu isto com bons olhos o que custou um bom puxão de orelha.
    Parabéns pela coluna.

    DMella

    Darcílio Mella

    17 Dec 10 at 10:13 am

Leave a Reply

%d bloggers like this: